sicnot

Perfil

Mundo

Putin diz que sanções do Ocidente tornaram a Rússia mais forte

POOL New

A Rússia saiu da recessão, apesar de continuarem as sanções do Ocidente, afirmou esta quinta-feira o Presidente Vladimir Putin, acrescentado que as restrições forçaram o país a "mudar a mentalidade" para reduzir a sua dependência das exportações de energia.

Falando durante um programa transmitido ao vivo para todo o país, Vladimir Putin lamentou a decisão do Senado norte-americano, na quarta-feira, de impor novas sanções, como reflexo dos esforços do Ocidente para "conter" a Rússia, mas sublinhou que as medidas apenas tornaram o país mais forte.

O Senado liderado pelos republicanos votou na quarta-feira a punição de Moscovo, por ter interferido nas eleições de 2016, aprovando um amplo pacote de sanções que visam setores-chave da economia russa e indivíduos que levaram a cabo ataques cibernéticos.

O projeto de lei do Senado acompanha várias outras sanções impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia sobre a anexação da Península da Crimeia da Ucrânia pela Rússia, e o seu apoio aos insurgentes pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Putin alega que a Rússia não fez nada para justificar a ação do Senado, afirmando ser reveladora da política do Ocidente para conter a Rússia e refletir a luta interna nos Estados Unidos.

"É evidência de uma contínua luta política interna nos EUA", afirmou.

Vladimir Putin disse que as sanções deram à Rússia um incentivo para se libertar da dependência das exportações de petróleo e de gás, e "mudar os cérebros e os talentos" para desenvolver outras indústrias, destacando que a eletrónica, as indústrias aeroespaciais e a agricultura foram impulsionadas.

A Rússia respondeu às sanções dos Estados Unidos e da União Europeia, com um bloqueio à maioria das importações de alimentos do Ocidente, uma medida que ajudou a aumentar a produção agrícola russa, frisou.

Os agricultores russos pediram ao Kremlin que mantenha a proibição das importações, mesmo que o Ocidente levante as sanções, mas Vladimir Putin respondeu que, se os parceiros levantarem as sanções contra a economia russa, esta responderá da mesma forma.

O líder russo afirmou que a "crise acabou", apontando para o modesto crescimento económico dos últimos nove meses, para a baixa inflação e o aumento das reservas cambiais.

Vladimir Putin disse ainda que a queda dos preços do petróleo teve um peso maior na desaceleração económica da Rússia do que as sanções.

Reconhecendo que a economia russa ainda não abandonou a sua dependência das exportações de matérias-primas, salientou, contudo, que as exportações não-energéticas estão a crescer.

Putin reconheceu também que os rendimentos das pessoas caíram e que 13,5% dos russos vivem agora abaixo do limiar da pobreza, equivalente a 170 dólares norte-americanos por mês.

A maioria das perguntas, durante o encenado programa ao vivo, foram sobre salários baixos, habitação precária, falta de cuidados de saúde e outros problemas sociais.

Como no passado, Putin repreendeu as autoridades locais por não terem prestado a devida atenção às pessoas, e ordenou que corrigissem rapidamente as falhas.

Mesmo antes de o programa terminar, as autoridades locais apressaram-se a indicar que os problemas estão a ser investigados.

Putin também desvendou um pouco da sua resguardada vida privada, revelando que tem dois netos cuja privacidade quer respeitar.

Putin, que em 2013 anunciou na televisão estatal que se estava a divorciar da mulher, tem duas filhas com idades a rondar os 30 anos, que não são vistas em público há anos e que se tornaram tema de rumores.

Uma das filhas foi apontada como responsável por um lucrativo projeto de construção de uma comunidade semelhante a Silicon Valley, sob a proteção da Universidade Estatal de Moscovo.

Vladimir Putin disse ainda que as duas filhas vivem em Moscovo, e "trabalham nas áreas da ciência e da educação".

Revelou ainda que um dos seus netos vai para o pré-escolar e o outro, um rapaz, acabou de nascer, mas adiantou que não quer dar mais pormenores sobre a família, para não prejudicar a sua privacidade.

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC