sicnot

Perfil

Mundo

Cristas lembra "amigo de Portugal e dos países de coesão"

MIGUEL PEREIRA DA SILVA

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, lembrou Helmut Kohl, que morreu esta sexta-feira aos 87 anos, como o reunificador da Alemanha e um "amigo de Portugal e dos países de coesão".

"Na morte de Helmut Kohl, lembramos o líder democrata-cristão que reunificou a Alemanha e ajudou a reconstruir a Europa - uma Europa inclusiva, onde foi especial amigo de Portugal e dos países da coesão", refere uma nota assinada pelo presidente do partido.

A presidente dos democratas-cristãos salientou a defesa da economia social de mercado pelo antigo chanceler alemão e deixou os pêsames do CDS-PP ao governo federal e a todos os cidadãos da Alemanha, "essa nova casa que Kohl reconstituiu sob um teto europeu".

"Na política externa, reuniu o desejo de uma integração europeia acompanhada pela cooperação atlântica, e foi um pragmático que lutou por uma visão da Alemanha e da Europa, que acreditava numa utopia realista, um sonho que poderia ser alcançado. Deixou-nos um grande estadista", refere Assunção Cristas.

O ex-chanceler alemão Helmut Kohl, o "pai" da reunificação alemã, morreu hoje aos 87 anos na sua casa de Ludwigshafen, sudoeste do país.

Helmut Kohl, o dirigente político germânico que mais tempo governou a República Federal, com quatro legislaturas, foi o artífice da reunificação alemã, após a queda do Muro de Berlim em 1989.

Estava afastado da vida pública desde 2008 e remetido a uma cadeira de rodas, após a queda numas escadas que lhe provocou um traumatismo cranioencefálico.

Kohl emergiu na política nacional alemã em 1976, quando se tornou no chefe da oposição e conquistou a chancelaria em 1982, após garantir a aprovação de uma moção de censura contra o então chefe do executivo, o social-democrata Helmut Schmidt.

Um ano depois foi confirmado pelas urnas no posto de chanceler, e manteve-se no cargo até 1998, quando foi derrotado pelo social-democrata Gerhard Schröder, que pela primeira vez se aliou aos Verdes para recuperar o governo da Alemanha.

Lusa

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27