sicnot

Perfil

Mundo

Ferro Rodrigues recorda Kohl como "grande estadista e europeísta"

ANT\303\223NIO COTRIM

O presidente da Assembleia da República recordou Helmut Kohl, que morreu esta sexta-feira aos 87 anos, como "um grande estadista" e "um grande europeísta", tendo enviado uma mensagem de condolências à Embaixada da República Federal da Alemanha.

"Era Chanceler da República Federal da Alemanha aquando da adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia, e podemos dizer que foi um amigo de Portugal e dos portugueses", refere Eduardo Ferro Rodrigues, numa nota enviada à agência Lusa.

Para o presidente do parlamento português, "a sua notável capacidade de liderança, revelada nos processos de construção europeia e de reunificação da Alemanha, vale-lhe um justo lugar na História".

O ex-chanceler alemão Helmut Kohl, o "pai" da reunificação alemã, morreu hoje aos 87 anos na sua casa de Ludwigshafen, sudoeste do país.

Helmut Kohl, o dirigente político germânico que mais tempo governou a República Federal, com quatro legislaturas, foi o artífice da reunificação alemã, após a queda do Muro de Berlim em 1989.

Estava afastado da vida pública desde 2008 e remetido a uma cadeira de rodas, após a queda numas escadas que lhe provocou um traumatismo cranioencefálico.

Kohl emergiu na política nacional alemã em 1976, quando se tornou no chefe da oposição e conquistou a chancelaria em 1982, após garantir a aprovação de uma moção de censura contra o então chefe do executivo, o social-democrata Helmut Schmidt.

Um ano depois foi confirmado pelas urnas no posto de chanceler, e manteve-se no cargo até 1998, quando foi derrotado pelo social-democrata Gerhard Schröder, que pela primeira vez se aliou aos Verdes para recuperar o governo da Alemanha.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.