sicnot

Perfil

Mundo

Ivanka Trump não responde a pedido de ajuda de ONG para libertar ativistas chineses

POOL New

A organização não-governamental China Labor Watch (CLW) apelou a Ivanka Trump, filha do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que ajude na libertação de três ativistas detidos na China, mas não obteve qualquer resposta.

Os três homens foram detidos, enquanto investigavam as condições laborais numa empresa fabricante de sapatos para a marca de Ivanka Trump e são acusados da venda de segredos industriais para o exterior.

"Estamos muito dececionados por não termos recebido uma resposta sua", afirmou o diretor da ONG, Li Qiang, num comunicado difundido na quinta-feira, juntamente com uma cópia da carta endereçada à filha de Donald Trump.

A organização, que nos últimos 17 anos tem investigado as condições de trabalho dos fornecedores chineses de algumas das empresas mais conhecidas a nível mundial, explicou que os ativistas Li Zhao, Su Heng e Hua Haifeng estão detidos e incontactáveis desde finais de maio.

Na carta é referido que esta é a primeira vez que os investigadores da organização enfrentam acusações criminais, uma situação que estará relacionada com o facto de as fábricas produzirem para a marca de Ivanka Trump.

"Apreciaríamos que usasse a sua influência para pedir a libertação dos nossos investigadores", lê-se na missiva. Li Qiang apelou, ainda, a Ivanka Trump para que exerça pressão, no sentido de "melhorar as condições de trabalho nas fábricas ligadas à sua marca".

A mulher de um dos detidos publicou, na quinta-feira, uma carta que foi rapidamente censurada nas redes sociais chinesas, em que denuncia ter sido alvo de interrogatórios de até quatro horas, ameaças e perseguições. "Sinto-me aterrorizada, assustada, preocupada e desamparada", lamentou a mulher, que revelou encontrar-se numa situação de quase prisão domiciliária, com a polícia a vigiar as imediações da sua casa.

Lusa

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.