sicnot

Perfil

Mundo

Sondagens preveem 80% dos votos para Macron e recorde de abstenção

POOL New

O partido do novo Presidente da França, Emmanuel Macron, deverá vencer confortavelmente a segunda volta das eleições legislativas do próximo domingo, podendo atingir os 80% dos votos, segundo uma sondagem publicada hoje.

Segundo esta sondagem do instituto OpinionWay-Orpi, publicada pelos diários 'Les Echos' e 'Radio Classique', o movimento A República em Marcha conseguirá entre 440 a 470 dos 577 deputados existentes no Parlamento francês, incluindo 50 a 60 do partido aliado do ministro da Justiça.

A coligação de direita e do centro terá de se contentar com os 70 a 90 lugares, menos que os 215 que obteve na legislatura que terminou e que a colocou como o principal partido da oposição.

A derrota eleitoral será ainda mais pronunciada para os socialistas, que depois de governarem com 314 deputados durante a presidência de François Hollande, entre 2012 e 2017, passarão a ter entre 20 a 30 deputados, o que pode comprometer, inclusivamente, a capacidade de formarem um grupo parlamentar.

Outra sondagem publicada hoje, pela Odoxa, e citada pela agência de notícias espanhola Efe dá conta da possibilidade de se bater um recorde no nível de abstenção, que poderá chegar aos 53%, acima dos 51,29% registados na primeira volta, no último domingo.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".