sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela solidariza-se com Cuba após anúncio de Donald Trump

© Marco Bello / Reuters

A ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez, expressou a sua solidariedade com Cuba, após as declarações do Presidente dos EUA, Donald Trump, suspendendo os acordos com Havana, estabelecidos pelo seu antecessor, Barack Obama.

"A Venezuela manifesta a sua firme e indeclinável solidariedade com a irmã República de Cuba, perante as agressões de Donald Trump", escreveu a ministra na sua conta do Twitter.

Segundo Delcy Rodríguez o "extremismo norte-americano pretender infestar o planeta de miséria, violência e morte, para satisfazer o capital e a sua barbárie".

"Cuba e Venezuela continuarão juntas na Aliança Bolivariana para os Povos da América (ALBA), Petrocaraíbas e na Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC), hasteando as bandeiras de Bolívar (Simón), Martí (José) e dos comandantes Fidel (Castro) e Chávez (Hugo)", expressou.

Para Caracas "as ameaças proferidas pelo Presidente dos EUA alimentam o espírito anti-imperialista do valente povo cubano e da Pátria Grande".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje a suspensão do acordo com Cuba, impulsionado pelo seu antecessor, Barack Obama, admitindo, no entanto, estar disponível para negociar um novo acordo que "tenha sentido".

Durante um encontro com membros da comunidade cubana, em Miami, EUA, Donald Trump vincou ser "conveniente" para os Estados Unidos, "ter liberdade na região, tanto em Cuba como na Venezuela".

Por outro lado, acusou o regime cubano de "ter enviado armas para a Coreia do Norte e de ter incentivado o caos na Venezuela", fazendo uma alusão aos protestos opositores que desde 1 de abril último se intensificaram no país, durante os quais pelo menos 73 pessoas faleceram em meio de uma forte repressão das forças de segurança.

Donald Trump classificou o regime cubano como "brutal" e justificou a suspensão do acordo, por "não ajudar os cubanos e enriquecer o regime", prometendo que os EUA vão denunciar os crimes castristas.

Com Lusa

  • Trump revê política de aproximação a Cuba iniciada por Obama
    3:05

    Mundo

    Donald Trump vai anunciar em breve a nova politica norte-americana em relação a Cuba. Entre as medidas poderão estar limitações de viagens de americanos a Cuba e a proibição de relações entre empresas americanas e instituições militares cubanas, de que dependem grande parte da economia de Cuba. Um recuo à aproximação feita por Barack Obama.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.