sicnot

Perfil

Mundo

Cuba rejeita "retórica hostil" de Donald Trump

Cuba rejeita "retórica hostil" de Donald Trump

O Governo cubano rejeitou aquilo a que chamou de "retórica hostil" do Presidente Donald Trump, que anunciou as suas políticas para Havana, mas afirmou que vai manter um "diálogo respeitoso" com os Estados Unidos em assuntos de interesse mútuo.

Num comunicado divulgado nos 'media' estatais na sexta-feira à noite, a administração do Presidente Raul Castro afirmou que o discurso de Trump estava "carregado com retórica hostil que faz lembrar os tempos de confronto aberto".

O longo comunicado adota, no entanto, um tom conciliatório, dizendo que Cuba quer continuar negociações com os Estados Unidos em diversos temas.

Cuba afirma que "os últimos dois anos mostraram que os dois países podem cooperar e coexistir de forma civilizada".

Trump denunciou na sexta-feira o acordo com Cuba, promovido pelo seu antecessor, Barack Obama, durante um discurso em Miami, no Estado da Florida, em que criticou o regime cubano, classificando-o como "brutal".

O Presidente norte-americano justificou a denúncia do acordo por este "não ajudar os cubanos e enriquecer o regime".

Por outro lado, o ocupante da Casa Branca prometeu: "Agora, que sou Presidente, os EUA vão denunciar os crimes do regime Castro".

Trump apontou ainda o "sofrimento" dos cubanos "durante cerca de seis décadas".

Um dos principais negociadores do acordo durante a Presidência Obama, Ben Rhodes, já criticou a decisão de Trump, considerando que devolve a relação bilateral "à prisão do passado" e dá ao castrismo "uma oportunidade" para se reforçar no poder.

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06