sicnot

Perfil

Mundo

Merkel diz que Papa a encorajou a lutar pelo Acordo de Paris

O Papa Francisco recebeu hoje no Vaticano a chanceler alemã Angela Merkel e os dois líderes discutiram temas como as relações multilaterais, a importância de África e o Acordo de Paris sobre combate às alterações climáticas.

Depois do encontro, que durou 38 minutos, Merkel referiu aos meios de comunicação a sintonia de ambos em temas como a importância das relações multilaterais sem muros ou a importância do continente africano pela sua proximidade com a Europa.

Também discutiram, segundo Merkel, a proteção do meio ambiente e o Acordo sobre o Clima de Paris, sublinhando que é uma "pena" a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, em abandonar o pacto internacional sobre o combate às alterações climáticas.

Angela Merkel disse que o Papa estava "muito de acordo" sobre estas questões.

Também falaram sobre a defesa dos tratados internacionais e sobre a próxima cimeira do G-20, que a Alemanha acolherá entre 07 e 08 de julho, em Hamburgo.
Merkel chegou ao Vaticano acompanhada pelo marido, Joachim Sauer, e foram recebidos pelo prefeito da Casa Pontifícia, o também alemão Georg Ganswein.

A chanceler alemã, filha de um pastor luterano, encontrou-se em audiência privada com o papa na biblioteca do Palácio Apostólico.

O Papa também expressou os seus pêsames pela morte do ex-chanceler alemão Helmut Kohl, que faleceu na sexta-feira aos 87 anos, que governou a Alemanha entre 1982 e 1998.

Angela Merkel encontrou-se também com o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, e posteriormente visitou o cemitério alemão situado ao lado da basílica de São Pedro e onde se encontra um centro cultural dedicado ao papa emérito Bento XVI.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08