sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch denuncia isolamento do ex-Presidente Morsi do Egito

Stringer Egypt

O ex-Presidente egípcio Mohamed Morsi continua praticamente isolado na prisão, sem visitas de advogados ou de familiares, apesar da deterioração do estado de saúde, denunciou hoje a Human Rights Watch.

A organização de defesa de direitos humanos disse que Morsi recebeu apenas duas "breves visitas" de familiares e advogados desde que foi destituído do cargo de Presidente na sequência do golpe de Estado, em 2013.

Segundo a Human Rights Watch as condições em que Morsi se encontra preso vão contra o direito à defesa das inúmeras acusações judiciais, assim como podem contribuir para o agravamento do estado de saúde do antigo chefe de Estado.

Familiares do ex-Presidente disseram à Human Rights Watch que, na primeira semana de junho, o político, de 68 anos, desmaiou duas vezes e sofreu um ataque de diabetes.
O diretor-adjunto da Human Rights Watch para o Médio Oriente e Norte de África refere em comunicado que a situação em que se encontra Mohamed Morsi é um exemplo "das terríveis condições em que se encontram milhares de presos políticos no Egito".

A mulher e uma filha de Morsi foram autorizadas a visitar o ex-Presidente durante 30 minutos no passado dia 04 de junho, pela primeira vez, desde novembro de 2013, mas os restantes quatro filhos não foram autorizados a visitar o pai.

No dia 04 de junho, as autoridades também autorizaram a entrada de um advogado -- durante 10 minutos -- tratando-se da primeira visita de caráter judicial desde janeiro de 2015.
Morsi foi condenado à morte por, alegadamente, ter tentado fugir, tendo sido depois sentenciado a cadeia perpétua, que no Egito corresponde a 25 anos de prisão, por conspiração e espionagem.

Ambas as acusações foram anuladas depois de os advogados terem apresentado um apelo a um tribunal do Cairo que ordenou a repetição do julgamento.

Morsi, três jornalistas e outras sete pessoas foram também condenados num outro caso de espionagem relacionado com a entrega ao Qatar de documentos sobre segurança de Estado, em 2012.

Um outro tribunal condenou Morsi a 20 anos de cadeia no caso sobre uso de violência policial que causou a morte a vários manifestantes durante os protestos de 2012, frente ao Palácio Presidencial de Itihadiya, no Cairo, e que marcaram o início do afastamento do Presidente.

Morsi é membro da Irmandade Muçulmana, organização que conseguiu o poder após a vitória nas eleições de 2012 no Egito, tendo sido declarada como organização terrorista após o golpe de Estado, um ano depois.

Lusa

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.