sicnot

Perfil

Mundo

"Número dois" do chavismo culpa oposição por ataque ao parlamento

Marco Bello

O deputado venezuelano Diosdado Cabello, considerado o "número dois" do 'chavismo', culpou na quarta-feira a oposição pelo ataque ao parlamento por simpatizantes do Governo de Nicolás Maduro.

"O que houve foi umas pessoas que tiveram de se defender da violência da direita. Eles (opositores) iniciaram a violência, e acreditam que vêm para o centro de Caracas agastar o povo", disse Cabello, durante o seu programa semanal de televisão.

O deputado classificou como "hipócritas" os governos do mundo e do Mercosul pelas críticas ao Governo de Maduro face aos incidentes na Assembleia Nacional (parlamento), que causaram cerca de 20 feridos, incluindo sete deputados.

Cabello disse que na semana passada, quando o polícia venezuelano Óscar Pérez atacou, a partir de um helicóptero, com granadas e tiros, as sedes do Tribunal Supremo de Justiça e do Ministério do Interior, estes Governos "não disseram nada".

"Será que nas suas Assembleias nunca houve confrontos? Há boa e má violência, dizem eles. A boa é a que é feita pelos senhores da direita, a má é aquela que nos atribuem", acrescentou.

Grupos simpatizantes do 'chavismo' [do antigo Presidente venezuelano Hugo Chávez] irromperam pela segunda vez, em oito meses, no parlamento e agrediram deputados, jornalistas e trabalhadores no mesmo dia em que a Assembleia Nacional, onde a oposição é maioritária, aprovou a realização, a 16 de julho, de uma votação contra o Governo.

O chefe de Estado também condenou o ataque e pediu a abertura de um inquérito, anunciado pelo Ministério Público e Provedor de Justiça.

No dia do plebiscito, os venezuelanos devem decidir, ainda, se aprovam a realização de uma Assembleia Constituinte proposta pelo chefe de Estado e quais as funções que devem ser atribuídas às Forças Armadas Venezuelanas.

A consulta popular, segundo a oposição, vai decorrer junto de igrejas, escolas e praças públicas.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se desde o passado dia 01 de abril, após o Supremo Tribunal de Justiça divulgar duas sentenças que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assumia as funções do parlamento.

Entre queixas sobre o aumento da repressão, os opositores manifestam-se ainda contra a convocatória a uma Assembleia Constituinte, feita a 01 de maio pelo Presidente Nicolás Maduro.

O número oficial de mortos nas manifestações, a favor e contra o regime, é de 91.

Lusa

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC