sicnot

Perfil

Mundo

Cidade palestiniana de Hebron declarada património da UNESCO

Bernat Armangue / AP

A cidade velha de Hebron, na Cisjordânia, ocupada por Israel, foi hoje declarada património mundial da UNESCO, pelo seu "valor universal excecional".

Reunida hoje em Cracóvia (sul da Polónia), a Comissão de Património Mundial da Organização para a Educação, Ciência e Cultura da ONU decidiu, com 12 votos a favor, três contra e seis abstenções, declarar a cidade velha de Hebron, na Cisjordânia ocupada, "zona protegida" enquanto "local de valor universal excecional".

A classificação de Património Mundial é atribuída a locais considerados de importância única para o mundo e a humanidade e determina o estabelecimento de medidas que garantam a sua preservação.

Palestinianos saúdam decisão da UNESCO sobre Hebron, Israel fala de "vergonha"

A Autoridade Palestiniana saudou hoje "o êxito" que constitui a decisão da UNESCO de declarar Hebron "zona protegida" de "valor universal excecional", qualificada em contrapartida por Israel como "uma votação vergonhosa".

Para a Autoridade Palestiniana, que propôs a classificação de Hebron, a decisão é "uma vitória da batalha diplomática travada em todas as frentes, face às pressões israelitas e norte-americanas", lê-se num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros palestiniano.

Rula Maayah, ministra do Turismo palestiniana, afirmou por seu lado que a decisão é "histórica porque sublinha que Hebron" e a sua mesquita "pertencem historicamente ao povo palestiniano".

Para Israel, no entanto, a redação da decisão ignora os laços históricos do judaísmo com a cidade. Naftali Bennett, ministro da Educação de Israel, afirmou que "os laços judeus a Hebron são mais fortes que o vergonhoso voto na UNESCO".

Hebron tem uma população de cerca de 200.000 palestinianos e algumas centenas de colonos israelitas, instalados num enclave protegido por tropas de Israel e parcialmente inacessível aos palestinianos, perto do local sagrado que os judeus designam como Túmulo dos Patriarcas e os muçulmanos Mesquita de Ibrahim.

No local estão os túmulos de Abraão, "pai" das três religiões monoteístas, do filho Isaac e do neto Jacob, e das respetivas mulheres, Sara, Rebeca e Léa.

Nos tempos do rei Herodes foi construído um monumento quadrangular em volta do túmulo e, posteriormente, os muçulmanos construíram a Mesquita de Ibrahim, o nome árabe de Abraão.

Em meio século de ocupação israelita, Hebron tornou-se um local de conflito permanente.

Na época do mandato britânico da Palestina, a comunidade judia residente em Hebron foi obrigada a partir, após o massacre de 67 judeus de 23 e 24 de agosto de 1929.

Em 1994, um colono israelo-norte-americano, Baruch Goldstein, abriu fogo na Mesquita de Ibrahim matando 29 fiéis muçulmanos, acabando por ser espancado até à morte.

Atualmente, as lojas do mercado da cidade velha estão em grande parte vazias e as que não estão foram revestidas com redes para-as proteger, segundo os comerciantes, das garrafas e outros detritos lançados pelos colonos israelitas.

Os palestinianos consideram que o local está ameaçado devido a um "aumento alarmante" do vandalismo contra propriedades palestinianas na cidade velha, que atribuem aos colonos israelitas.

Com Lusa

  • Carro do suspeito de rapto de Maelys fotografado por radar a alta velocidade
    1:16

    Mundo

    Praticamente um mês depois do desaparecimento de Maelys de Araújo, as autoridades francesas continuam a fazer buscas para tentar encontrar a menina lusodescendetnte de 9 anos. Entretanto, um jornal francês revelou que o carro do homem suspeito de rapto terá sido fotografado, por um radar, a alta velocidade na noite do desparecimento.

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Icebergue com 5.800 quilómetros quadrados está a deslocar-se na Antártida

    Mundo

    Um icebergue gigante está a deslocar-se na Antártida em direção ao mar de Weddell segundo as imagens de satélite reveladas. Trata-se do A68, um icebergue quatro vezes maior que a cidade de Londres. Com cerca de 5.800 quilómetros quadrados e triliões de toneladas, A68 é um dos maiores icebergues conhecidos.