sicnot

Perfil

Mundo

Especialista em diabetes defende que homem moderno precisa de menos de comida

Enrique Castro-Mendivil

O homem moderno precisa cada vez menos de comida, porque não tem a mesma exigência em termos físicos do que os antigos, disse à Lusa especialista indiano em transplantes do pâncreas, Raja Kandaswamy, esta sexta-feira no Porto.

"O homem moderno precisa cada vez menos de comida, porque não tem a mesma exigência em termos físicos do que os antigos. Tornámo-nos tecnologicamente demasiado dependentes, porque já não temos o mesmo nível de consumo de calorias que antes, mas ainda assim continuamos a consumi-las", argumentou Raja Kandaswamy.

O especialista, líder do maior centro de transplante do pâncreas do mundo, na University of Minnesota Medical Center, em Mineapolis, nos Estados Unidos da América, foi convidado para falar sobre a sua área no HEBIPA Meeting 2017, um encontro a decorrer esta sexta-feira e sábado no Porto e organizado pela Unidade Hepatobiliar e Pancreática do Centro Hospitalar do Porto.

Sobre a evolução da doença no planeta, explicou-o de forma simples: "há quem chame à diabetes a doença dos ricos e como o mundo está a tornar-se cada vez mais rico, a doença acompanha-o, porque cada vez se faz mais exercício em frente à televisão".

Pioneiro dos transplantes do pâncreas nos Estados Unidos da América, este especialista indiano considerou "encorajador verificar que as transplantações do pâncreas têm vindo a aumentar fora dos Estados Unidos nos últimos 15 anos".

"Os países líderes nesse particular são o Reino Unido e o Brasil, depois a Coreia do Sul e a Itália, com Portugal a surgir no Top 7 dos países com o melhor registo por número de habitantes, o que é impressionante", elogiou Raja Kandaswamy.

Numa curta viagem pelos últimos 51 anos na história dos transplantes, Kandaswamy lembrou que quando em 1966 começaram os transplantes do pâncreas "nos primeiros 30 anos a taxa de sucesso foi muito baixa".

"Depois disso, a cada cinco anos surgiram melhoramentos e, aqui chegados, temos um registo superior a 90% de casos de sucesso nos Estados Unidos", revelou à Lusa.

E prosseguiu: "não há razões para pensar que nos outros países os números sejam muito mais baixos. Veja-se o caso da Itália, onde essa percentagem é ainda melhor, ainda que feita num só centro. E embora no que concerne ao resto do mundo eu não tenha números reais, a verdade é que quem se interessa pelo problema do pâncreas tem tido muito bons resultados".

Das inovações verificadas ao nível das cirurgias destacou "o uso do robô para os transplantes", uma técnica já praticada em Itália e nos EUA e que, "apesar de ser uma inovação recente, os registos são muito encorajadores, até porque se trata de uma técnica pouco invasiva, tipo uma laparoscopia".

Lamentando a "falta de tempo para visitar o Centro Hospitalar do Porto", a conversa com a responsável pelo serviço Donzília Silva fê-lo perceber que "o programa de transplantes do pâncreas parece ser de grande nível".

"Até à data fizeram entre 200 e 300 transplantes e com uma alta percentagem de sucesso. Trata-se, sem dúvida, de um dos melhores centros hospitalares da Europa", disse o pioneiro na área.

E com a diabete tipo 2 a "aumentar muito nos Estados Unidos, em comparação com outros países", é na China que encontra o próximo grande foco de preocupação.

"A China é a última vítima da indústria da 'fast food' e há cada vez mais obesos no país", denunciou.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15