sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 120 países aprovam na ONU primeiro tratado que proíbe armas nucleares

Reuters

São 122 os países que aprovaram hoje na ONU o primeiro tratado de sempre que proíbe armas nucleares, com a oposição das nove potências nucleares e da maioria dos países da NATO. A Holanda votou contra e Singapura absteve-se.

"O mundo esperava esta norma legal há 70 anos", desde que as primeiras bombas atómicas foram lançadas, em Hiroshima e Nagasaki, disse a presidente da conferência da ONU que presidiu às negociações, Elayne Whyte Gomez, representante da Costa Rica nas Nações Unidas.

Os países que apoiam o tratado veem nele uma realização histórica, mas os países com capacidade nuclear consideram-no irrealista, afirmando que não vai ter nenhum impacto na redução do atual arsenal mundial, que conta cerca de 15.000 ogivas.

Liderados pela Áustria, Brasil, México, África do Sul e Nova Zelândia, 141 países participaram nas três semanas de negociações do tratado, que preconiza uma proibição total do desenvolvimento, armazenamento e ameaça de utilização de armas nucleares.

Nenhum dos nove países com armas nucleares -- Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, Israel, China, Índia, Paquistão e Coreia do Norte -- participou nas negociações.

Até o Japão, único país alvo de um ataque atómico, em 1945, boicotou as negociações, assim como a maioria dos países da NATO, incluindo Portugal.

O tratado só se aplica aos Estados signatários.

Para os países que defendem o tratado, ele vai acentuar a pressão sobre os Estados nucleares para que encarem o desarmamento com mais seriedade.

Os países com capacidade nuclear argumentam que os arsenais existentes são essencialmente dissuasores e que estão sujeitos às condições do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), de 1968, que responsabiliza nomeadamente os países pela redução dos seus arsenais.

As organizações que defendem o desarmamento aplaudem o tratado hoje aprovado, considerando que ele vai contribuir para acentuar a estigmatização das armas nucleares junto das opiniões públicas.

Lusa

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Morreu o artista plástico Júlio Pomar

    Cultura

    O artista plástico Júlio Pomar morreu hoje aos 92 anos no Hospital da Luz, em Lisboa, revelou à Lusa fonte familiar. Segundo a mesma fonte, o pintor morreu na sequência de problemas de saúde relacionados com a idade e com um internamento prolongado. Não há ainda informações sobre cerimónias fúnebres.

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • Lembra-se dos olharapos da Expo'98? Estão de volta
    1:46