sicnot

Perfil

Mundo

ONU aprova tratado que proibe armas nucleares com oposição das três maiores potências

Carlos Barria

Os Estados Unidos da América, a França e o Reino Unido rejeitaram um tratado aprovado esta sexta-feira nas Nações Unidas que proíbe as armas nucleares.

Este tratado, advertem, "despreza claramente a realidade do ambiente da segurança internacional".

As três potências, que têm armas nucleares, avisam, num comunicado conjunto, que "não têm qualquer intenção de se juntarem aos países signatários deste tratado".

O tratado foi esta sexta-feira aprovado por 122 votes a favor, um contra (da Holanda, que é membro da NATO), tendo havido uma abstenção.

Os negociadores do tratado consideram que a sua aprovação constitui "uma conquista histórica", tendo havido aplausos no final da votação.

A votação favorável do tratado põe termo a três semanas de negociações em que participaram 141 países, apoiantes, caso da Áustria, Brasil, México, África do Sul e da Nova Zelândia.

Os Estados Unidos, Reino Unido e a França rejeitaram categoricamente a possibilidade de se juntarem posteriormente aos signatários do acordo.

Estes três países acreditam que o tratado não terá impacto na redução do stock global de armas nucleares que se estimam em 15.000.

O tratado será ratificado a partir de 20 de setembro deste ano e entrará em vigor logo seja assinado por 50 países.

Nenhum dos nove países que têm armas nucleares, (Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, China, França, Índia, Paquistão, Coreia do Norte, Coreia do Sul e Israel), manifestaram-se favoráveis à aprovação deste tratado.

Lusa

  • João Galamba deixa de ser porta-voz do PS

    País

    João Galamba vai deixar de ser porta-voz do PS e de integrar a comissão permanente do partido. A nova porta-voz dos socialistas vai ser Maria Antónia Almeida Santos, que já integrava a comissão independente, órgão de direção política do PS.

  • Mariano Rajoy não vai convocar eleições antecipadas
    1:24

    Mundo

    O governo espanhol está por um fio por causa de um processo de corrupção a envolver dirigentes do PP. O PSOE apresentou uma moção de censura e o Ciudadanos pede eleições antecipadas. O chefe do governo, Mariano Rajoy, já disse que não vai convocar eleições.