sicnot

Perfil

Mundo

Prédio de quatro andares ruiu esta manhã em Itália, há vários desaparecidos

Em atualização

AP

AP

Parte de um prédio com quatro andares caiu na manhã de hoje perto da cidade italiana de Nápoles, no sul do país, e as autoridades estão à procura de sete pessoas soterradas nos escombros, entre elas duas crianças, avança o Corriere della Sera.

Última atualização 10h30

Bombeiros disseram à Sky TG24 que se estima que seis ou sete pessoas estejam soterradas nos escombros na localidade à beira-mar de Torre Annunziata, a cerca de quatro quilómetros da zona arqueológica de Pompeii.


A agência de notícias italiana ANSA citou testemunhas que disseram que não houve nenhuma explosão antes da queda do prédio, mas que um comboio tinha passado nas imediações em carris adjacentes.


Imagens mostram a estrutura do prédio parcialmente derrubada, revelando o interior de alguns apartamentos.


Equipas de resgate estavam a remover os escombros à mão, passando-o para fora em baldes, enquanto os bombeiros em escadas verificavam a estabilidade da parte do edifício que se mantinha intacta.


Notícias publicadas em alguns meios de comunicação dão conta que estavam a ser realizadas obras de reconstrução no edifício.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.