sicnot

Perfil

Mundo

Trump e Putin discutiram Síria e Ucrânia em reunião com mais de duas horas

Carlos Barria

O primeiro encontro entre o Presidente americano, Donald Trump, e o seu homólogo russo, Vladimir Putin, realizado esta sexta-feira em Hamburgo, durou mais de duas horas e foi marcado por temas como a situação na Síria e na Ucrânia.

Realizado à margem da cimeira dos 20 países mais industrializados e emergentes (G20), a decorrer até sábado na cidade alemã de Hamburgo, o encontro entre Trump e Putin durou duas horas e 15 minutos e abordou, a par das crises síria e ucraniana, a luta antiterrorista e a cibersegurança, segundo indicou o Presidente russo após a reunião, sem adiantar mais pormenores.

As delegações dos Estados Unidos e da Rússia ficaram de divulgar posteriormente mais informações sobre o encontro.

No início do encontro, aguardado com grande expetativa devido à crescente tensão que tem marcado nos últimos meses a relação Washington/Moscovo, Trump manifestou-se otimista em relação ao encontro com o chefe de Estado russo e afirmou esperar "coisas muito positivas" para os dois países.

Sentado ao lado de Putin, Donald Trump afirmou ser "uma honra" estar com o seu homólogo russo.Nos breves momentos em que os jornalistas foram autorizados a entrar no local onde aconteceu o encontro bilateral, o Presidente dos Estados Unidos disse que ele e o chefe de Estado russo já tinham tido "conversas muito, muito boas".

Trump indicou ainda estar expectante pelas "muitas coisas positivas que vão acontecer para a Rússia e para os Estados Unidos".

"Estou feliz por conhecê-lo e espero que (...) este encontro seja marcado por um resultado positivo", disse, por sua vez, Vladimir Putin.

"Temos conversado ao telefone, mas as conversas telefónicas nunca são suficientes", acrescentou o líder russo.

Os dois líderes já falaram ao telefone em quatro ocasiões após a chegada de Donald Trump à Casa Branca, em janeiro deste ano, mas nunca tinham tido um encontro presencial.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC