sicnot

Perfil

Mundo

Trump e Putin discutiram Síria e Ucrânia em reunião com mais de duas horas

Carlos Barria

O primeiro encontro entre o Presidente americano, Donald Trump, e o seu homólogo russo, Vladimir Putin, realizado esta sexta-feira em Hamburgo, durou mais de duas horas e foi marcado por temas como a situação na Síria e na Ucrânia.

Realizado à margem da cimeira dos 20 países mais industrializados e emergentes (G20), a decorrer até sábado na cidade alemã de Hamburgo, o encontro entre Trump e Putin durou duas horas e 15 minutos e abordou, a par das crises síria e ucraniana, a luta antiterrorista e a cibersegurança, segundo indicou o Presidente russo após a reunião, sem adiantar mais pormenores.

As delegações dos Estados Unidos e da Rússia ficaram de divulgar posteriormente mais informações sobre o encontro.

No início do encontro, aguardado com grande expetativa devido à crescente tensão que tem marcado nos últimos meses a relação Washington/Moscovo, Trump manifestou-se otimista em relação ao encontro com o chefe de Estado russo e afirmou esperar "coisas muito positivas" para os dois países.

Sentado ao lado de Putin, Donald Trump afirmou ser "uma honra" estar com o seu homólogo russo.Nos breves momentos em que os jornalistas foram autorizados a entrar no local onde aconteceu o encontro bilateral, o Presidente dos Estados Unidos disse que ele e o chefe de Estado russo já tinham tido "conversas muito, muito boas".

Trump indicou ainda estar expectante pelas "muitas coisas positivas que vão acontecer para a Rússia e para os Estados Unidos".

"Estou feliz por conhecê-lo e espero que (...) este encontro seja marcado por um resultado positivo", disse, por sua vez, Vladimir Putin.

"Temos conversado ao telefone, mas as conversas telefónicas nunca são suficientes", acrescentou o líder russo.

Os dois líderes já falaram ao telefone em quatro ocasiões após a chegada de Donald Trump à Casa Branca, em janeiro deste ano, mas nunca tinham tido um encontro presencial.

Lusa

  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00