sicnot

Perfil

Mundo

Partido de Macron realiza hoje a primeira convenção

Gonzalo Fuentes

O partido fundado por Emmanuel Macron, A República em Marcha (REM), realiza hoje a sua primeira convenção, na qual as cerca de 3.000 pessoas esperadas vão poder ouvir e debater as grandes ideias do partido para a rentrée política francesa.

Uma porta-voz do partido precisou esta semana que estão convidados a participar na reunião "os deputados, o comité político, os delegados nacionais, os membros da Comissão de Investidura, bem como o primeiro-ministro e os membros do governo".

A convenção, que decorrerá no Paris Event Center, em La Villette, Paris, visa "consagrar e aprofundar a dinâmica de cidadania do movimento", que conta já com mais de "373 mil aderentes", apenas quinze meses após a sua fundação, acrescentou a mesma fonte.

Durante a manhã os trabalhos vão decorrer à porta fechada, noticiou a imprensa francesa. Durante a tarde, a partir das 14:00 (13:00 em Lisboa), o partido vai apresentar o seu 'roadmap' e ações para lançar na 'rentrée' política em França.Para as 14:40 está previsto o discurso de encerramento do primeiro-ministro francês, Edouard Philippe.

A organização também disse que vários outros elementos "representativos da diversidade" do partido tomarão a palavra no decorrer dos trabalhos.Segundo a imprensa especializada francesa, A República em Marcha deverá adotar uma liderança colegial, com várias figuras a dirigir um movimento que pretende ter autonomia face à ação do Presidente Macron, mas também do governo.

Do coletivo de líderes do REM deverá fazer parte a atual presidente interina, Catherine Barbaroux, mas também o antigo deputado Arnaud Leroy, a senadora Bariza Khiari e Jean-Paul Delevoye.O partido do Presidente centrista Emmanuel Macron, e o seu aliado MoDem, obtiveram em 18 de julho uma maioria absoluta confortável na Assembleia Nacional francesa, elegendo 350 dos 577 deputados da câmara.

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.