sicnot

Perfil

Mundo

Protestos em Hamburgo fizeram um número ainda indeterminado de feridos

Pawel Kopczynski

Os protestos violentos contra a cimeira do G20, no bairro de Schanzenviertel, em Hamburgo, durante a madrugada, fizeram um número ainda indeterminado de feridos, entre os quais vários agentes da polícia, segundo a agência noticiosa EFE.

Os distúrbios prolongaram-se até ao início da madrugada de domingo, informaram fontes policias, sem dizer o número de feridos e de detidos.

Até sábado, 205 agentes tinham ficado feridos, enquanto se registaram 144 detidos.

Depois do fim do encontro dos líderes das 20 maiores economias mundiais houve registo de automóveis incendiados, barricadas, destruição de mobiliário urbano, mas ainda assim com menor intensidade que os protestos verificados na noite de sexta-feira.

A polícia usou canhões de água para dispersar os manifestantes e 'carregou' algumas vezes depois de, repetidamente, solicitar a milhares de jovens que abandonassem as ruas e bares da zona.

Os incidentes voltaram a iniciar-se nas imediações de uma casa ocupada por um grupo antissistema, o 'Rote Flora', a cerca de 300 metros do centro de congressos, que acolheu até sábado a reunião presidida pela chanceler alemã, Angela Merkel, e que incluiu os presidentes russo e norte-americano, Vladimir Putin e Donald Trump, respetivamente.

  • Câmara mostra bastidores do G20
    2:13

    Mundo

    No último dia da Cimeira do G20 em Hamburgo é esperada uma declaração final onde é sublinhado o combate às alterações climáticas, apesar da contestação dos Estados Unidos. A Rússia veio já garantir que Donald Trump aceitou a garantia de Vladimir Putin de que Moscovo não interferiu nas eleições norte-americanas.

  • G20 considera acordo de Paris "irreversível"
    2:00

    Mundo

    A oposição dos Estados Unidos não impediu a certeza. O acordo para o clima é irreversível, concluíram os outros participantes na cimeira do G20. Em Hamburgo, a unanimidade das maiores economias do mundo foi para a defesa do comércio internacional livre e justo.

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Várias casas evacuadas devido a chuvas fortes na Alemanha
    0:54
  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.