sicnot

Perfil

Mundo

Green Day rejeitam críticas após morte de acrobata

Greg Allen

Os Green Day emitiram um comunicado, no qual explicam porque tocaram na sexta-feira num festival em Madrid, após a morte de um acrobata que atuava antes do grupo norte-americano. A banda foi alvo de duras críticas, mas o vocalista Billie Joe Armstrong garante que o grupo não teria atuado se tivesse sido informado do incidente.

"Nós estávamos nos bastidores, a meia milha do palco principal do festival. Estávamos a aquecer para entrar às 23h25 horas. 15 minutos antes do início, o nosso agente da digressão disse-nos que as autoridades locais pediram para esperar devido a um problema de segurança. Não nos disseram por que razão", justifica a banda no comunicado.

Os Green Day atuaram na passada sexta-feira no festival Mad Cool, em Madrid, Espanha.

Antes da atuação da banda norte-americana, um acrobata que atuava entre concertos, Pedro Aunión Monroy, caiu durante a performance e acabou por morrer.

Pedro Aunión Monroy era bailarino, trapezista, diretor artístico e uma das figuras mais conceituadas na dança acrobática em Espanha e morreu entre as atuações dos grupos Alt-J e Green Day.

Os Green Day foram alvo de duras críticas por terem atuado após o incidente, mas a banda garante que só foi informada no final da atuação.

"Isto nunca aconteceu nos 30 anos que o Green Day passaram a atuar ao vivo. Se soubéssemos, provavelmente não teríamos tocado. Não somos pessoas sem coração. A segurança e bem-estar nos nossos concertos vêm em primeiro. O que aconteceu ao Pedro é impensável", lamentou a banda.

Instagram

Após o comunicado, a banda enviou condolências à família e amigos do acrobata através da rede social Twitter.

O jornal espanhol El Mundo avançou o bailarino estava suspenso dentro de um cubo, a dezenas de metros de altura, e que o incidente pode ter ocorrido devido a um problema na troca das cordas de segurança.

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.