sicnot

Perfil

Mundo

Nova missão da ONU na Colômbia vai focar-se na integração de rebeldes das FARC

Jaime Saldarriaga / Reuters

O Conselho de Segurança da ONU aprovou unanimemente uma resolução na segunda-feira a autorizar uma nova missão política da organização na Colômbia focada na reintegração dos rebeldes na sociedade, após mais 50 anos de guerra.

A resolução proposta pelos britânicos estabelece a Missão de Verificação das Nações Unidas na Colômbia por um período inicial de um ano, a começar a 17 de setembro, quando acabar o mandato da atual missão que tem monitorizado o cessar-fogo e o processo de desarmamento da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

A resolução pede ao secretário-geral António Guterres para fazer recomendações detalhadas sobre o tamanho, aspectos operacionais e mandato da nova missão no espaço de 45 dias.Guterres está confiante que a equipa de verificação "vai contribuir para construir confiança e apoio às partes" durante a fase de integração, "que é crítica para consolidar a paz", disse o porta-voz da ONU Stephane Dujarric.

O mais longo conflito da América Latina causou 250 mil mortos, 60 mil desaparecidos e mais de sete milhões de deslocados.

Após anos de difíceis negociações, os rebeldes chegaram a um acordo com o Governo no ano passado para transitarem para um partido político.

Em janeiro de 2016, antes do acordo, o Governo e os rebeldes das FARC pediram conjuntamente à ONU que monitorizasse o cessar-fogo e o processo de desarmamento, um raro pedido de ajuda à ONU, que foi aceite.

No mês passado, o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, enviou novamente uma carta para o Conselho, em nome do Governo e das FARC, pedindo uma segunda missão política por três anos, "renovável se necessário".

O Conselho de Segurança da ONU visitou o país, no início de maio, para acompanhar os esforços de paz e a missão das Nações Unidas.Há dez dias, Jean Arnault, enviado especial da ONU na Colômbia, disse ao Conselho que o desafio mais urgente era reintegrar os dez mil antigos combatentes na sociedade, um processo que prevê ser difícil.Segundo Arnault, os rebeldes das FARC têm um "profundo sentimento de incerteza" em relação à segurança física após o desarmamento e futuro económico..

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC