sicnot

Perfil

Mundo

França investiu "várias centenas de milhões de euros" após roubo de armas militares em 2015

Philippe Laurenson

A 6 de julho de 2015, a base militar francesa de Miramas, foi alvo de um roubo de cerca de 150 detonadores e cargas explosivas. A França investiu depois "várias centenas de milhões de euros" num "plano de emergência".

"O investimento foi de várias centenas de milhões de euros num período de três anos, tendo começado em 2016. Só em 2016, o investimento foi de 60 milhões de euros", afirmou uma fonte do ministério francês das Forças Armadas, citada pela Lusa, sem precisar o montante global do plano que está em curso.

Em 2016, depois da avaliação do sistema de proteção de locais de armazenamento de armas do exército, foi adotado um plano de emergência no qual foram tomadas "medidas imediatas para reforçar a proteção física ao nível das vedações e dos paióis, foram mobilizados uma centena de militares e reparados sistemas de vigilância".

Depois, foram também tomadas "medidas de emergência para dotar os locais mais vulneráveis com sistemas de videovigilância".

Em terceiro lugar, foram adotadas "medidas perenes de reconstrução de paióis", no valor de 60 milhões de euros só para o ano de 2016.

"Não houve demissão de ministro nem de chefe de Estado-Maior do Exército. Apercebemo-nos que havia um problema ao nível das infraestruturas, do sistema de proteção e foi decidido reforçá-lo", continuou a mesma fonte, sem indicar se houve responsáveis penalizados.

O Le Figaro indicava, a 30 de julho de 2015, que "mais de 160 milhões de euros vão ser consagrados à melhoria da proteção das bases militares", precisando que tinham sido roubados "170 detonadores, 40 granadas, cerca de 60 dispositivos de iniciação de granadas e uma dezena de cargas explosivas de 250 gramas" e que "os ladrões não tinham sido incomodados porque os paióis não estavam equipados com alarmes nem câmaras de vigilância".

A 25 de junho passado, foi registado o roubo de quatro lança-granadas e quatro caixas de munições do exército francês, a bordo de um comboio que deveria partir também de Miramas para outra base militar, tendo as autoridades detido o suspeito, que foi indiciado por "roubo agravado" e "transporte e detenção de armas de guerra".

Em Portugal, entre o material de guerra furtado dos Paióis Nacionais de Tancos, estavam granadas de mão, granadas anticarro e explosivos.

A Procuradoria-Geral da República anunciou na terça-feira que abriu um inquérito ao caso, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional.
No Exército português decorrem averiguações internas e o ministro da Defesa Nacional, que afirmou desconhecer problemas de insegurança naquela base militar, determinou uma inspeção extraordinária às condições de segurança dos paióis.

Na sequência deste caso, o Presidente da República exigiu o apuramento total dos factos ocorridos e o CDS-PP pediu a demissão do ministro da Defesa Azeredo Lopes.

Com Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.