sicnot

Perfil

Mundo

França investiu "várias centenas de milhões de euros" após roubo de armas militares em 2015

Philippe Laurenson

A 6 de julho de 2015, a base militar francesa de Miramas, foi alvo de um roubo de cerca de 150 detonadores e cargas explosivas. A França investiu depois "várias centenas de milhões de euros" num "plano de emergência".

"O investimento foi de várias centenas de milhões de euros num período de três anos, tendo começado em 2016. Só em 2016, o investimento foi de 60 milhões de euros", afirmou uma fonte do ministério francês das Forças Armadas, citada pela Lusa, sem precisar o montante global do plano que está em curso.

Em 2016, depois da avaliação do sistema de proteção de locais de armazenamento de armas do exército, foi adotado um plano de emergência no qual foram tomadas "medidas imediatas para reforçar a proteção física ao nível das vedações e dos paióis, foram mobilizados uma centena de militares e reparados sistemas de vigilância".

Depois, foram também tomadas "medidas de emergência para dotar os locais mais vulneráveis com sistemas de videovigilância".

Em terceiro lugar, foram adotadas "medidas perenes de reconstrução de paióis", no valor de 60 milhões de euros só para o ano de 2016.

"Não houve demissão de ministro nem de chefe de Estado-Maior do Exército. Apercebemo-nos que havia um problema ao nível das infraestruturas, do sistema de proteção e foi decidido reforçá-lo", continuou a mesma fonte, sem indicar se houve responsáveis penalizados.

O Le Figaro indicava, a 30 de julho de 2015, que "mais de 160 milhões de euros vão ser consagrados à melhoria da proteção das bases militares", precisando que tinham sido roubados "170 detonadores, 40 granadas, cerca de 60 dispositivos de iniciação de granadas e uma dezena de cargas explosivas de 250 gramas" e que "os ladrões não tinham sido incomodados porque os paióis não estavam equipados com alarmes nem câmaras de vigilância".

A 25 de junho passado, foi registado o roubo de quatro lança-granadas e quatro caixas de munições do exército francês, a bordo de um comboio que deveria partir também de Miramas para outra base militar, tendo as autoridades detido o suspeito, que foi indiciado por "roubo agravado" e "transporte e detenção de armas de guerra".

Em Portugal, entre o material de guerra furtado dos Paióis Nacionais de Tancos, estavam granadas de mão, granadas anticarro e explosivos.

A Procuradoria-Geral da República anunciou na terça-feira que abriu um inquérito ao caso, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional.
No Exército português decorrem averiguações internas e o ministro da Defesa Nacional, que afirmou desconhecer problemas de insegurança naquela base militar, determinou uma inspeção extraordinária às condições de segurança dos paióis.

Na sequência deste caso, o Presidente da República exigiu o apuramento total dos factos ocorridos e o CDS-PP pediu a demissão do ministro da Defesa Azeredo Lopes.

Com Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC