sicnot

Perfil

Mundo

UNICEF avança que existem 884 milhões de pessoas sem acesso a água potável

REUTERS

Cerca de 884 milhões de pessoas, maioritariamente na África Subsaariana, permanecem ainda sem acesso à água potável, reporta esta quarta-feira um relatório do Programa Conjunto de Monitorização das Nações Unidas.

O documento, elaborado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), analisa a situação, até 2016, da água potável, saneamento e higiene em mais de 200 países e territórios.

No relatório, é indicado que, em relação ao saneamento, apenas 2.900 milhões de pessoas (39% da população mundial) têm acesso a serviços sanitários seguros e com respetivo tratamento de esgotos, o que contrasta com os mais de 890 milhões de cidadãos que ainda, segundo o UNICEF e OMS, optam pela "defecação pública".

Sobre os hábitos de higiene, sobretudo no que diz respeito ao acesso a água e sabão, as duas organizações lembram que apenas foi possível proceder a uma comparação de dados em 70 países (representando 30% da população mundial).

A situação mais grave acontece nos países em vias de desenvolvimento, sobretudo na África Subsaariana, em que, segundo o UNICEF e a OMS, 27% da população tem acesso a água e sabão, 26% debate-se com a falta de um desses produtos e 47% não tem qualquer possibilidade de obtê-los.

No documento, é referido que 2.100 milhões de pessoas (três em cada 10) ainda estão sem acesso a água potável em casa e mais de 4.200 milhões (seis em cada 10) não dispõem de saneamento nos locais de residência.

Segundo as duas organizações, uma das principais conclusões do estudo é a existência de um grande número da população mundial sem acesso a água potável, saneamento e higiene, significativamente mais nas zonas rurais do que nas urbanas.

"A água potável, saneamento e higiene em casa não deve ser um privilégio daqueles que são ricos ou que vivem nos centros urbanos. Estes são alguns dos requisitos mais básicos de que necessita a saúde da humanidade, pelo que todos os países têm a responsabilidade para os garantir a toda a população", sublinhou, no relatório, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O responsável da OMS lembra que, desde 2000, mais de mil milhões de pessoas ganharam acesso a água potável e saneamento, salientando, porém, que ainda existem muitas casas, escolas e unidades de saúde sem sabão e água, o que leva à falta de práticas de higiene, havendo o risco de doenças, como diarreias, que afetam sobretudo as crianças.

A diarreia, lembra o UNICEF, mata todos os anos 361 mil crianças com menos de cinco anos, provocada pela falta de saneamento básico, água contaminada e pela transmissão de outras doenças, como a cólera, disenteria, hepatite A e febre tifoide.

"Água segura, saneamento efetivo e a higiene são críticos para a saúde de qualquer criança ou comunidade. À medida que melhorarmos estes serviços nas comunidades mais vulneráveis estaremos a dar-lhes uma hipótese mais justa para um amanhã melhor", disse, por seu lado, o diretor executivo do UNICEF, Anthony Lake.

As metas contidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) das Nações Unidas até 2030, salientam as duas organizações, são claras e preveem uma diminuição significativa das desigualdades nestas três áreas, algo que está em curso, mas que, em 90 países, decorre de forma "muito lenta".

Se se garantirem maiores progressos nas três áreas, lembram o UNICEF e a OMS, haverá, até 2030, uma redução "significativa" do número de mortos e de doenças ligadas à inalação de produtos químicos e de ar, água e terra contaminados.

Tal permitirá uma redução importante nas taxas de mortalidade materna e de crianças até aos cinco anos.

Lusa

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Milhares de alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59