sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha "deve mudar" para corrigir disfuncionalidades da zona euro

Fabrizio Bensch

O Presidente francês considerou que a Alemanha "deve mudar" para corrigir "disfuncionalidades da zona euro" e dar-lhe "o destino que merece", numa entrevista publicada hoje, a poucas horas do conselho de ministros franco-alemão.

"Deve mudar, tal como a França deve mudar", sublinhou Emmanuel Macron, na entrevista ao jornal Ouest France e ao grupo de jornais alemão Funke.

Para Macron, que preside esta manhã no Eliseu ao 19.º conselho de ministros franco-alemão com a chanceler Angela Merkel, Berlim "deve acompanhar um ressurgimento do investimento público e privado na Europa".

"A Alemanha reformou-se formidavelmente, tem uma economia sólida, mas há fragilidades demográficas, desequilíbrios económicos e comerciais com os seus vizinhos", disse.

"As responsabilidades partilhadas devem dar à zona euro o destino que merece", sublinhou.

"Uma parte da competitividade alemã deve-se às disfuncionalidades da zona euro, à fraqueza das outras economias", analisou o Presidente francês.

Os países "que já estão endividados ficam ainda mais endividados" e "os que são competitivos ficam ainda mais competitivos", destacou.

A Alemanha "fez reformas", mas "beneficia também das disfuncionalidades da zona euro", uma "situação (que) não é saudável, porque não é duradoura".

Emmanuel Macron falou ainda dos "mecanismos de solidariedade mais importantes para o futuro", que passam por um "orçamento" da zona euro, "um governo que decide a alocação desse orçamento e um controlo democrático que não existe hoje".

Em matéria de defesa, o Presidente francês disse que apesar de "a Alemanha não ter as mesmas capacidades de intervenção operacionais" que a França, "pode apoiar o esforço europeu".

Lusa

  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00