sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Paz Liu Xiaobo acusado de ser peão do Ocidente

Jason Reed

Um jornal do Partido Comunista Chinês (PCC) disse, hoje, que Liu Xiaobo, dissidente chinês e Nobel da Paz, que morreu na quinta-feira, vítima de um cancro, era um peão do Ocidente, cujo legado desaparecerá em breve.

Em editorial, o Global Times, jornal em inglês do grupo do Diário do Povo, o órgão central do PCC, afirmou que Liu teve uma "vida trágica", porque tentou confrontar a sociedade chinesa com apoio de fora.

O mais conhecido ativista chinês a favor da democracia, Nobel da Paz em 2010, morreu aos 61 anos, enquanto cumpria uma pena de 11 anos de prisão por subversão contra o Estado.

O Global Times considerou que os últimos dias de Liu foram "politizados por forças estrangeiras", que usaram a doença de Liu para "promoverem a sua imagem e demonizarem a China".

Liu foi o segundo Nobel da Paz a morrer na prisão. O primeiro, Carl von Ossietzky, morreu de tuberculose, na Alemanha, em 1938, enquanto cumpria uma pena por se opor ao regime nazi de Adolf Hitler.

A questão dos direitos humanos é uma fonte de persistente tensão entre o Governo chinês e os países europeus e Estados Unidos, que tendem a enfatizar a importância das liberdades políticas individuais.

Para as autoridades chinesas, "o direito ao desenvolvimento é o mais importante dos direitos humanos" e o "papel dirigente" do Partido Comunista, no poder desde 1949, é "um principio cardial".

"Na história da China, nenhum dos heróis foi delegado pelo Ocidente. A posição e valor de alguém na História será decidida pelos seus esforços e persistência para o desenvolvimento do país", concluiu o jornal.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49