sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco ameaça "arrancar as cabeças" dos golpistas

Presidente turco ameaça "arrancar as cabeças" dos golpistas

O Presidente da Turquia ameaçou este sábado fazer regressar a pena de morte para "arrancar a cabeça" aos promotores do golpe militar falhado de há um ano, pelo qual culpa o religioso Fetullah Gülen, exilado nos Estados Unidos da América.

"Antes de mais, vamos arrancar a cabeça desses traidores", afirmou Recep Tayyip Erdogan, que discursava perante uma multidão de dezenas de milhares de pessoas que se concentrou em Istambul para assinalar o aniversário da tentativa de golpe.

Gülen, que nega tudo, é acusado de orquestrar o golpe, que provocou confrontos em que morreram 250 pessoas e ficaram feridas mais de duas mil que resistiam aos sublevados, entre os quais também houve 35 baixas.

No local da manifestação, a Ponte dos Mártires de 15 de Julho, Erdogan afirmou que "não foi o primeiro e não será o último" golpe na Turquia e alertou que grupos terroristas vão atentar contra o país.

Por isso, afirmou que aprovaria o regresso da pena de morte ao país se o parlamento fizer uma lei para isso.

Erdogan relacionou os seguidores de Gülen com os curdos do PKK e o grupo terrorista Daesh, afirmando que servem uma causa comum.

Para os milhares de alegados golpistas feitos prisioneiros após o falhanço do golpe, defendeu que usem uniformes iguais "como em Guantanamo", aludindo à prisão militar em Cuba para onde os Estados Unidos levaram os detidos acusados de terrorismo.

Com Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15