sicnot

Perfil

Mundo

Winnie the Pooh banido da China

As imagens do famoso urso da Disney foram banidas na China por alegadamente terem sido usadas para comparar Winnie the Pooh com o líder chinês Xi Jinping.

As autoridades de censura chinesas baniram o nome Winnie the Pooh das redes sociais.

Nos últimos anos, um dos ursos animados mais adorados tem sido comparado com o líder chinês nas redes sociais.

A polémica terá começado em 2013 quando Xi Jinping se encontrou com Barack Obama. Vários utilizadores das redes sociais retrataram o líder chinês como o urso animado e o líder norte-americano como o tigre.

O líder chinês foi novamente comparado com o urso quando em 2015 cumprimentou o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, que foi comparado ao burro da série animada.

Várias imagens e GIFs de Winnie the Pooh foram apagados nas redes sociais, de acordo com a revista Time.

A partir desta semana, quando os utilizadores pesquisarem o nome "Winnie the Pooh" nas redes sociais, irá automaticamente aparecer uma mensagem de erro que refere que o "conteúdo é ilegal".

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38