Mundo

Mais de 600 mil sírios regressaram a casa desde janeiro

Rodi Said

Mais de 600.000 sírios, na maioria deslocados internos, regressaram a casa entre janeiro e junho de 2017, mas os que partem continuam a ser em maior número, mais de 800.000, anunciou hoje a Organização Internacional das Migrações (OIM).

No total, a OIM registou 602.759 sírios que regressaram a casa, 84% dos quais tinham fugido para outros pontos da Síria e 16% para a Turquia, Líbano, Jordânia ou Iraque.

Os refugiados que regressaram da Turquia e da Jordânia instalaram-se principalmente nas províncias de Alepo e Al-Hasakeh. Metade do total dos regressos teve por destino Alepo. Cerca de 10% dos que regressam, no entanto, voltaram a ser deslocados internos.

"Ainda há decididamente mais deslocações novas que regressos", disse, numa conferência de imprensa em Genebra, a porta-voz da OIM Olivia Headon.

Entre janeiro e junho, houve 808.661 deslocados, muitos pela segunda ou terceira vez.No total, desde o início da guerra, cerca de 5,86 milhões de sírios fugiram das suas casas para outras zonas do país.

Segundo a OIM, os que regressam a casa fazem-no sobretudo espontaneamente, mas necessariamente de forma voluntária, segura ou sustentável.

Apenas 11% dos que regressam a casa afirmam tê-lo feito devido a uma melhoria das condições de segurança e 27% dizem regressar para proteger bens e propriedades.

Cerca de 25% refere uma melhoria da situação económica na localidade de origem, contra 14% que regressam por um agravamento da situação económica no local onde se tinham refugiado.Pelo menos 11% refere regressar por causa de obstáculos, de ordem social, cultural ou política, à integração.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC