sicnot

Perfil

Mundo

Mercosul contra "opção militar" sugerida pelos Estados Unidos

O bloco económico sul-americano Mercosul criticou hoje a sugestão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de uma eventual "opção militar" para enfrentar a crise política que afeta a Venezuela.

O bloco composto pela Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai referiu, num comunicado divulgado hoje, que "os únicos meios aceitáveis para a promoção da democracia são o diálogo e a diplomacia".
E acrescentou: "O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inalienável e constitui a base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no plano das relações internacionais".
Na sexta-feira, Trump admitiu uma "possível opção militar" na Venezuela, país que atravessa uma grave crise política.
"Temos várias opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se necessário", afirmou na altura o chefe de Estado norte-americano, sem precisar mais detalhes.
"A Venezuela não é longe e há pessoas que sofrem e pessoas que morrem", acrescentou.
Na nota informativa de hoje, o bloco económico sul-americano, que decidiu no início de agosto suspender politicamente a Venezuela daquela organização, criticou ainda a atuação do governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e da recente instalada Assembleia Constituinte.
"As medidas anunciadas pelo governo e pela Assembleia Nacional Constituinte nos últimos dias reduzem ainda mais o espaço para o debate político e para a negociação", concluiu o Mercosul.
No passado dia 05 de agosto, os ministros dos Negócios Estrangeiros do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai decidiram suspender politicamente a Venezuela do Mercosul "por rutura da ordem democrática".
"A suspensão é aplicada devido aos atos do governo de Nicolás Maduro, e constitui um apelo a um início imediato de um processo de transição política e de restauração da ordem democrática", explicaram então num comunicado os países fundadores do Mercosul, após uma reunião em São Paulo, Brasil.
A Venezuela já tinha sido colocada à margem do mercado comum sul-americano desde dezembro, por motivos comerciais.
A Venezuela vive a sua pior crise política desde há décadas, com manifestações das quais resultaram 125 mortos e milhares de feridos em quatro meses, mas o Presidente Maduro, cuja saída é exigida pelos manifestantes, tem permanecido impassível face às pressões internacionais.

Lusa

  • Negligência é a principal causa dos incêndios
    1:32

    País

    A Polícia Judiciária deteve mais dois suspeitos de fogo posto este fim de semana. Ao todo já foram detidas pelo menos 99 pessoas pelas autoridades desde o início do ano, a maioria suspeitas de agirem intencionalmente. Mas desde 1 de janeiro até meados deste mês, dos 8 mil incêndios investigados pela GNR, mais de 3.300 tiveram causa negligente. 

  • Concentração de motos em Góis
    2:28

    País

    Durante este fim de semana, decorre uma das concentrações de motards mais concorridas do país. A organização esperava cerca de 20 mil visitantes em Góis.