sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela expulsa encarregado de negócios do Peru em Caracas

Ueslei Marcelino

O Governo da Venezuela anunciou, na sexta-feira, que vai expulsar o encarregado de negócios do Peru em Caracas, pouco depois de o Executivo peruano ter ordenado a expulsão de Lima do seu embaixador, Diego Alfredo Molero Bellavia.

"Em virtude da medida adotada pelo Governo do Peru, vemo-nos na lamentável obrigação de expulsar o encarregado de negócios do Peru na Venezuela", refere um comunicado da diplomacia venezuelana.

Caracas indicou que o representante peruano tem cinco dias para abandonar a Venezuela, os mesmos que foram dados ao embaixador venezuelano para sair do Peru.

A decisão do Peru surgiu na sequência do protesto diplomático apresentado pelo Governo de Caracas - que o Peru recusa aceitar por conter "termos inaceitáveis" - sobre a Declaração de Lima, subscrita na terça-feira por 17 países da região, a qual rejeita reconhecer a nova Assembleia Constituinte venezuelana.

A Declaração de Lima, que condena "a rutura da ordem democrática" na Venezuela e que entende serem "ilegítimos" os atos da recém-eleita Assembleia Constituinte, foi assinada, entre outros, pela Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá e Peru.Composta por 545 membros, todos próximos do Governo de Caracas, a Assembleia Constituinte foi eleita em 30 de julho, numas eleições boicotadas pela oposição que não participou então no processo por considerar que foi convocada de maneira ilegítima.

Estados Unidos e União Europeia também não reconhecem o novo órgão, que é presidido pela antiga ministra dos Negócios Estrangeiros Delcy Rodríguez, instalado no dia 4, sob denúncias de fraude eleitoral. A ação diplomática do Peru figura como a mais forte tomada até ao momento por um país da América Latina relativamente à Venezuela.

A ministra dos Negócios Estrangeiros das Honduras, María Dolores Agüero, disse na sexta-feira à agência noticiosa Efe que os seus homólogos americanos vão reunir-se em setembro, por ocasião da Assembleia-Geral da ONU, marcada para dia 20 desse mês, para avaliar a crise na Venezuela e pedir ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, um papel mais ativo na busca por uma solução.

A Venezuela encontra-se mergulhada numa grave crise política, sendo palco, desde o início de abril, de uma onda de protestos a favor e contra o Governo de Maduro, dos quais alguns resvalaram em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 125 mortos.

Os protestos intensificaram-se a partir de 01 de maio precisamente quando o Presidente venezuelano convocou a eleição da Constituinte, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação.

Durante uma sessão especial do novo órgão, realizada na quinta-feira, Maduro submeteu o seu projeto de Constituição, o qual prevê penas de prisão de 15 a 25 anos para quem "exprimir ódio, intolerância e violência por razões culturais, políticas e ideológicas".

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.