sicnot

Perfil

Mundo

Hillary Clinton lança livro sobre fracasso nas eleições

Andrew Kelly

Derrotada há dez meses nas eleições presidenciais norte-americanas, Hillary Clinton publica esta terça-feira a sua versão dos acontecimentos, em que assume a sua responsabilidade mas rejeita absolver intervenientes, como o FBI, a Rússia e os media.

No livro, intitulado "What Happened" ("O Que Aconteceu"), lançado hoje nos Estados Unidos, a antiga candidata democrata não mede as palavras sobre o sucessor de Barack Obama na Casa Branca: um "mentiroso", "sexista", indigno e incompetente.

Hillary, que cumprirá 70 anos em outubro, relata o "choque" da noite da eleição, em novembro passado, a sensação de ter sido "esvaziada" e a "tristeza" que não a abandonou por semanas.

E, depois, o regresso à vida, graças à sua família, a uma técnica de respiração alternativa... e Chardonnay.

"Não houve um dia desde 8 de novembro de 2016 em que não me questionei: Por que perdi? Às vezes tenho dificuldade em concentrar-me noutra coisa", escreve a antiga secretária de Estado de Obama, que durante um quarto de século fez questão de nunca baixar a guarda em público.

Em quase 500 páginas, assume os seus erros, mas também aponta culpados: o antigo diretor do FBI James Comey, o Governo russo, o seu rival nas primárias do Partido Democrata Bernie Sanders, os meios de comunicação e o sexismo da sociedade.

A Casa Branca já reagiu ao lançamento do livro, com a porta-voz da presidência norte-americana a comentar que o Presidente dos EUA, Donald Trump, não tem necessidade de Hillary Clinton para compreender "o que aconteceu" em 2016.

"Creio que é triste que, depois de Hillary Clinton ter feito uma das campanhas mais negativas na história e ter perdido, o último capítulo da sua vida pública se defina agora por tentar vender mais livros com ataques falsos e imprudentes", disse a porta-voz, Sarah Sanders.

A antiga primeira-dama, senadora e chefe da diplomacia norte-americana foi a primeira mulher na história dos EUA a concorrer à Casa Branca, mas garante que não voltará a tentar chegar à presidência, mas não se retira da vida política.

"Acabei com ser candidata. Mas não terminei com a política, porque literalmente acredito que o futuro do nosso país está em jogo", disse à televisão norte-americana CBS, sem precisar qual é o seu próximo passo.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.