Mundo

Coiote fez 35 quilómetros preso num para-choques

@georgie knox /facebook

Georgie Knox atropelou na semana passada um coiote a caminho do trabalho no Canadá e ficou surpreendida quando reparou que o animal não só tinha ficado preso no para-choques do carro, como ainda estava vivo.

Georgie Knox percorreu os cerca de 35 quilómetros que ligam Airdrie a Calgary sem perceber que o animal tinha ficado preso.

A canadiana só reparou na presença do animal quando chegou ao local de trabalho.

Georgie Knox chamou uma equipa do Departamento de Caça e Pesca para retirar o coiote do para-choques sem causar danos ao animal.

O coiote foi retirado em segurança e para surpresa dos profissionais e da condutora, o animal não apresentava qualquer ferimento.

"Milagrosamente, foi libertado com lesões mínimas", disse Georgie Knox citada pela BBC.

No Canadá, os atropelamentos de animais nas estradas são muito frequentes, devido ao território selvagem que cobre grande parte do país.

@georgie knox/facebook

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34