Mundo

Congregação religiosa belga desafia papa e permite prática da eutanásia

Arquivo Reuters

REUTERS

Uma congregação religiosa belga está a desafiar uma ordem do papa Francisco para terminar com casos de eutanásia nos hospitais psiquiátricos que gere e diz que a decisão de a manter é consistente com a doutrina católica.

Numa posição com data de terça-feira, o ramo belga dos Irmãos da Caridade manteve a posição de continuar a praticar a eutanásia e disse que as negociações com as autoridades da Igreja para resolver o impasse não obtiveram resultados, acrescentando que estava aberta ao diálogo, mas apenas para explicar a posição.

Em maio a congregação anunciou que permitiria que os médicos praticassem a eutanásia nos seus 15 hospitais psiquiátricos na Bélgica (um dos dois países, com a Holanda, onde os médicos estão legalmente autorizados a matar pessoas com problemas mentais, a pedido destas), apesar da oposição da hierarquia da Igreja Católica.

Para que se pratique a eutanásia, segundo a entidade, é preciso que as pessoas estejam em "insuportável sofrimento" e que não haja "alternativas razoáveis de tratamento".

E os pedidos serão considerados "com o maior cuidado" e avaliados por pelo menos três médicos.

A Santa Sé lançou uma investigação da decisão do conselho de administração do grupo, já que a Igreja Católica proíbe a eutanásia, e em agosto o Vaticano ordenou o fim da eutanásia nos Irmãos da Caridade, dando-lhe um mês para cumprir a ordem.

A sede administrativa da congregação em Roma concordou, afirmando que a eutanásia "vai contra os princípios básicos" da Igreja Católica.

E o superior da ordem, Rene Stockman, pediu aos Irmãos belgas para que escrevessem uma carta formal declarando a aceitação da doutrina da Igreja de respeito pela vida desde a conceção à morte natural.

Na resposta, na terça-feira, os Irmãos belgas disseram que "enfaticamente" acreditam que a sua decisão de permitir a eutanásia é consistente com a doutrina católica.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34