sicnot

Perfil

Mundo

Guterres diz que situação em Myanmar pode ser considerada limpeza étnica

Mike Segar

O secretário-geral da ONU, António Guterres, considerou esta quarta-feira que os "crimes contra a humanidade" que sofrem os rohingyas em Myanmar podem ser considerados limpeza étnica.

"Quando um terço da população rohingya é obrigada a sair do país, consegue encontrar uma palavra melhor para descrever?", disse Guterres numa conferência de imprensa.

O secretário-geral não usou o termo genocídio, garantindo que não existem vantagens em discuter os diferentes termos que se podem usar, mas disse que "a situação humanitária é catastrófica" e ilustrou esta realidade com alguns números.

"Quando lá estive na semana passada, havia 125 mil refugiados Rohingya que tinham fugido para o Bangladesh. Esse número triplicou para 380 mil, disse Guterres.

O secretário-geral apelou à Birmânia para suspender as operações militares contra a minoria Rohingya, cerca de 400.000 membros da qual já se refugiaram no vizinho Bangladesh para fugir às atrocidades.

"Apelo às autoridades da Birmânia para que suspendam as ações militares e a violência e protejam o Estado de direito", declarou Guterres em conferência de imprensa, advertindo que a violência desencadeou uma catástrofe humanitária.

Inquirido sobre se o que está a acontecer na Birmânia é uma "limpeza étnica", o responsável máximo das Nações Unidas considerou não haver "melhor palavra para descrever a situação" que levou "um terço da população Rohingya a fugir do país".

Segundo a ONU, cerca de 400.000 Rohingyas refugiaram-se no Bangladesh desde finais de agosto para fugir à repressão do exército birmanês, que lançou uma operação militar no oeste do país após uma série de ataques da rebelião Rohingya.

O porta-voz presidencial birmanês precisou hoje que 176 aldeias 'rohingya' estão vazias, em consequência da fuga de todos os residentes devido à violência no estado de Rakhin (oeste).

O porta-voz não usou o termo Rohingya, mas bengali, a palavra normalmente usada na Birmânia, onde se considera que aquela minoria migrou ilegalmente do Bangladesh.

As autoridades da Birmânia, de maioria budista, não reconhecem a cidadania aos Rohingya, cerca de um milhão de pessoas, impondo-lhes múltiplas restrições, incluindo a privação de liberdade de movimentos.

A ONU tem manifestado preocupação com a violência do Estado birmanês sobre os 'rohingya' e, na segunda-feira, o Alto-Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, descreveu a situação como "um exemplo clássico de limpeza étnica".

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.