sicnot

Perfil

Mundo

Índios brasileiros contra privatização de parques e diminuição das terras

Eraldo Peres

Um grupo de índios Guarani protestaram hoje perto de São Paulo, maior cidade do Brasil, contra o projeto de privatizar parques públicos e a redução das terras que lhes foram atribuídas num parque estadual no ano de 2015.

O grupo ocupou pacificamente a sede do parque Jaraguá, perto da sua aldeia, que fica localizada a 20 quilómetros de São Paulo.

A área foi delimitada em 2015 com 532 hectares, mas o Governo brasileiro do Presidente Michel Temer promulgou um decreto que reduz para apenas três hectares a superfície destinada a estes povos.

A reserva foi inicialmente reconhecida na década de 1980, e regularizada com 1,7 hectares, tornando-a a menor área indígena do Brasil.

Décadas depois, a reserva foi expandida com base em novos estudos antropológicos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

O Pico de Jaraguá, localizado no parque nacional do mesmo nome, é habitado por cerca de 700 índios distribuídos em cinco aldeias que, durante anos, reivindicaram a propriedade dessas terras com base em "direitos ancestrais" que afirmam ter sobre áreas ocupadas por eles há mais de três séculos.

Há algumas semanas, o Governo brasileiro alegou "erros administrativos" no processo que elevou o tamanho da reserva e decidiu reduzir substancialmente a área destinada aos indígenas.

De acordo com um manifesto divulgado hoje pelos Guaranis, a demarcação das suas terras dificulta o objetivo do Governo "de destruir a vegetação para ganhar dinheiro".

"A principal consequência será a redução de nossa área de ocupação, da nossa cultura. Isto acabará com a vegetação e aumentará a especulação imobiliária. É nessa estrada que eles vão, mas resistiremos enquanto houver ar" disse à Efe Thiago Enrique, líder Guarani da reserva indígena de Jaraguá.

No Brasil, de acordo com dados oficiais, existem 600 reservas habitadas por 480 mil índios de 227 grupos étnicos que ocupam 109,6 milhões de hectares, equivalentes a 13% do território nacional.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50