sicnot

Perfil

Mundo

Índios brasileiros contra privatização de parques e diminuição das terras

Eraldo Peres

Um grupo de índios Guarani protestaram hoje perto de São Paulo, maior cidade do Brasil, contra o projeto de privatizar parques públicos e a redução das terras que lhes foram atribuídas num parque estadual no ano de 2015.

O grupo ocupou pacificamente a sede do parque Jaraguá, perto da sua aldeia, que fica localizada a 20 quilómetros de São Paulo.

A área foi delimitada em 2015 com 532 hectares, mas o Governo brasileiro do Presidente Michel Temer promulgou um decreto que reduz para apenas três hectares a superfície destinada a estes povos.

A reserva foi inicialmente reconhecida na década de 1980, e regularizada com 1,7 hectares, tornando-a a menor área indígena do Brasil.

Décadas depois, a reserva foi expandida com base em novos estudos antropológicos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

O Pico de Jaraguá, localizado no parque nacional do mesmo nome, é habitado por cerca de 700 índios distribuídos em cinco aldeias que, durante anos, reivindicaram a propriedade dessas terras com base em "direitos ancestrais" que afirmam ter sobre áreas ocupadas por eles há mais de três séculos.

Há algumas semanas, o Governo brasileiro alegou "erros administrativos" no processo que elevou o tamanho da reserva e decidiu reduzir substancialmente a área destinada aos indígenas.

De acordo com um manifesto divulgado hoje pelos Guaranis, a demarcação das suas terras dificulta o objetivo do Governo "de destruir a vegetação para ganhar dinheiro".

"A principal consequência será a redução de nossa área de ocupação, da nossa cultura. Isto acabará com a vegetação e aumentará a especulação imobiliária. É nessa estrada que eles vão, mas resistiremos enquanto houver ar" disse à Efe Thiago Enrique, líder Guarani da reserva indígena de Jaraguá.

No Brasil, de acordo com dados oficiais, existem 600 reservas habitadas por 480 mil índios de 227 grupos étnicos que ocupam 109,6 milhões de hectares, equivalentes a 13% do território nacional.

Lusa

  • O dia em que Marcelo apitou um jogo de futebol

    País

    Habituado a ajuizar os momentos de tensão entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi esta quarta-feira árbitro, literalmente. Tudo aconteceu num jogo de futebol entre crianças, durante a visita do Presidente da República a São Tomé e Príncipe.

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Débito direto: não deixe que lhe tirem centenas de euros da conta
    7:11
  • Mais de 300 mortos em bombardeamentos de Bashar a Ghouta
    3:08

    Mundo

    Nos últimos três dias morreram mais de 300 civis, incluindo crianças, em Ghouta Oriental, na Síria. Alemanha e França exigem uma trégua imediata para que sejam retirados os civis, e António Guterres pede um cessar fogo de um mês. Alertamos para a violência de algumas imagens.

  • Imprensa espanhola considera Rúben Semedo a pior contratação de sempre do Villarreal
    3:35

    Desporto

    Rúben Semedo vai esta quinta-feira ser ouvido por um juiz de instrução, que vai ditar as medidas de coação no caso em que o jogador é suspeito de roubo, agressões e posse ilegal de arma. O defesa português do Villarreal passa mais uma noite nas instalações da Guardia Civil, em Valência. Alguns media espanhóis chamam-lhe agora a pior contratação de sempre da história do clube.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Novos protestos na Florida contra a lei das armas
    2:12
  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.