sicnot

Perfil

Mundo

Índios brasileiros contra privatização de parques e diminuição das terras

Eraldo Peres

Um grupo de índios Guarani protestaram hoje perto de São Paulo, maior cidade do Brasil, contra o projeto de privatizar parques públicos e a redução das terras que lhes foram atribuídas num parque estadual no ano de 2015.

O grupo ocupou pacificamente a sede do parque Jaraguá, perto da sua aldeia, que fica localizada a 20 quilómetros de São Paulo.

A área foi delimitada em 2015 com 532 hectares, mas o Governo brasileiro do Presidente Michel Temer promulgou um decreto que reduz para apenas três hectares a superfície destinada a estes povos.

A reserva foi inicialmente reconhecida na década de 1980, e regularizada com 1,7 hectares, tornando-a a menor área indígena do Brasil.

Décadas depois, a reserva foi expandida com base em novos estudos antropológicos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

O Pico de Jaraguá, localizado no parque nacional do mesmo nome, é habitado por cerca de 700 índios distribuídos em cinco aldeias que, durante anos, reivindicaram a propriedade dessas terras com base em "direitos ancestrais" que afirmam ter sobre áreas ocupadas por eles há mais de três séculos.

Há algumas semanas, o Governo brasileiro alegou "erros administrativos" no processo que elevou o tamanho da reserva e decidiu reduzir substancialmente a área destinada aos indígenas.

De acordo com um manifesto divulgado hoje pelos Guaranis, a demarcação das suas terras dificulta o objetivo do Governo "de destruir a vegetação para ganhar dinheiro".

"A principal consequência será a redução de nossa área de ocupação, da nossa cultura. Isto acabará com a vegetação e aumentará a especulação imobiliária. É nessa estrada que eles vão, mas resistiremos enquanto houver ar" disse à Efe Thiago Enrique, líder Guarani da reserva indígena de Jaraguá.

No Brasil, de acordo com dados oficiais, existem 600 reservas habitadas por 480 mil índios de 227 grupos étnicos que ocupam 109,6 milhões de hectares, equivalentes a 13% do território nacional.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.