sicnot

Perfil

Mundo

Líder birmanesa vai quebrar o silêncio sobre crise dos rohingya

Soe Zeya Tun

A líder da Birmânia (Myanmar) Aung San Suu Kyi vai falar à nação na próxima terça-feira sobre a crise que levou quase 380 mil membros da minoria muçulmana rohingya a fugir do país, anunciou esta quarta-feira o governo.

A conselheira de Estado Suu Kyi "vai falar de reconciliação nacional e de paz", numa alocução televisiva prevista para 19 de setembro, disse à imprensa o porta-voz do governo, Zaw Htay.

Segundo a ONU, mais de 379 mil rohingya refugiaram-se no Bangladesh desde finais de agosto para fugir à repressão do exército birmanês, que lançou uma operação militar no oeste do país após uma série de ataques da rebelião rohingya.

O porta-voz presidencial birmanês precisou hoje que 176 aldeias rohingya estão vazias, em consequência da fuga de todos os residentes devido à violência no estado de Rakhine (oeste).

O porta-voz não usou o termo rohingya, mas bengali, a palavra normalmente usada na Birmânia, onde se considera que aquela minoria migrou ilegalmente do Bangladesh.

As autoridades da Birmânia, de maioria budista, não reconhecem a cidadania aos rohingya, cerca de um milhão de pessoas, impondo-lhes múltiplas restrições, incluindo a privação de liberdade de movimentos.

Suu Kyi, ex-dissidente birmanesa e Nobel da Paz, tem sido criticada por defender a atuação do exército por várias personalidades, entre as quais o dalai lama e os também Nobel da Paz Malala Yousafzai e Desmond Tutu.

A antiga dissidente, ícone do combate democrático contra a junta militar, anunciou hoje que não vai estar presente na abertura da sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas, na próxima semana.

A ONU tem manifestado preocupação com a violência do Estado birmanês sobre os rohingya e, na segunda-feira, o Alto-Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, referiu-se à situação como "um exemplo clássico de limpeza étnica".

O Conselho de Segurança da ONU reúne-se hoje a partir das 11h00 locais (16h00 em Lisboa) para discutir a situação.

A China, que com os EUA, Rússia, França e Reino Unido é um dos membros permanentes, com direito de veto, já manifestou o seu apoio ao governo birmanês.

Lusa

  • O dia em que Marcelo apitou um jogo de futebol

    País

    Habituado a ajuizar os momentos de tensão entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi esta quarta-feira árbitro, literalmente. Tudo aconteceu num jogo de futebol entre crianças, durante a visita do Presidente da República a São Tomé e Príncipe.

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Débito direto: não deixe que lhe tirem centenas de euros da conta
    7:11
  • Mais de 300 mortos em bombardeamentos de Bashar a Ghouta
    3:08

    Mundo

    Nos últimos três dias morreram mais de 300 civis, incluindo crianças, em Ghouta Oriental, na Síria. Alemanha e França exigem uma trégua imediata para que sejam retirados os civis, e António Guterres pede um cessar fogo de um mês. Alertamos para a violência de algumas imagens.

  • Imprensa espanhola considera Rúben Semedo a pior contratação de sempre do Villarreal
    3:35

    Desporto

    Rúben Semedo vai esta quinta-feira ser ouvido por um juiz de instrução, que vai ditar as medidas de coação no caso em que o jogador é suspeito de roubo, agressões e posse ilegal de arma. O defesa português do Villarreal passa mais uma noite nas instalações da Guardia Civil, em Valência. Alguns media espanhóis chamam-lhe agora a pior contratação de sempre da história do clube.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Novos protestos na Florida contra a lei das armas
    2:12
  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.