sicnot

Perfil

Mundo

Fundador da WikiLeaks disposto a proteger site sobre referendo na Catalunha

Susana Vera

O fundador da WikiLeaks, Julian Assange, manifestou-se hoje disposto a ajudar e proteger o 'site' criado pelo Governo Regional sobre o referendo na Catalunha, que foi suspenso pelo Tribunal Constitucional no domingo.

"Temos muita experiência a pôr fim à censura abusiva. Estou feliz por ajudar a proteger os direitos de publicação do site do referendo catalão", afirmou Assange na sua conta no Twitter.

Na quarta-feira, a Guarda Civil fechou o site oficial do referendo por ordem judicial, mas poucas horas depois o presidente da Generalitat [Governo Regional] , Carles Puigdemont, anunciou nas redes sociais dois novos domínios de acesso à página.

Nas últimas semanas, Assange tem publicado tweets a favor do referendo na Catalunha, que definiu como o evento político "mais importante" do ano no Ocidente.

"Votar é simplesmente expressar uma opinião: a Espanha está a tentar amordaçar 7,5 milhões de pessoas pela força. Por que estão tão assustados com a sua opinião", perguntou noutro tweet publicado hoje.

A vice-presidente do Governo espanhol considerou hoje "ridículo" que o presidente do executivo da Catalunha publique novas páginas de Internet sobre o referendo independentista depois de a Justiça ter encerrado a primeira delas.

Para Sáenz de Santamaría, os novos sites serão "pão de um dia" (provérbio espanhol que transmite ideia de brevidade) e avisa que, se o governo regional e os separatistas quiserem mostrar que "são mais espertos porque contornam a lei, a lei será reposta com toda a força do estado de direito, com toda a tranquilidade, com toda a paz, mas também com toda a firmeza".

Numa entrevista hoje ao canal de televisão espanhol Telecinco, esta responsável governamental explicou ser expectável que o Governo regional (Generalitat) abra outra ou outras páginas web a favor do referendo, mas avisou que as forças policiais têm uma grande experiência na luta contra o cibercrime.

O presidente do executivo catalão, Carles Puigdemont, difundiu na quarta-feira ao fim do dia, através do Twitter, novos links da página do referendo.

Madrid está a tentar, pela via judicial, impedir a realização do referendo separatista convocado pelas instituições catalãs e considerado ilegal por Madrid.

Os independentistas defendem que cabe apenas aos catalães a decisão sobre a permanência da região em Espanha, enquanto Madrid se apoia na Constituição do país para insistir que a decisão sobre uma eventual divisão do país tem de ser tomada pela totalidade dos espanhóis.

Os partidos separatistas têm uma maioria de deputados no parlamento regional desde setembro de 2015, o que lhes deu a força necessária, em 2016, para declararem que iriam organizar este ano um referendo sobre a independência, mesmo sem o acordo de Madrid.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.