sicnot

Perfil

Mundo

Tunisinas já podem casar com não-muçulmanos

Zoubeir Souissi / Reuters

As tunisinas de religião muçulmana passam a poder casar-se no seu país com não-muçulmanos com a abolição das circulares administrativas que impediam estas uniões, anunciou hoje a porta-voz da presidência da Tunísia.

"Todos os textos ligados à interdição do casamento de uma tunisina com um estrangeiro (...) foram anulados. Parabéns às mulheres da Tunísia pela consagração do direito à liberdade de escolher o cônjuge", escreveu Saida Garrach na rede social Facebook.

A quase totalidade dos tunisinos (99%) são muçulmanos.

A 13 de agosto, o presidente Béji Caid Essebi anunciou ter pedido ao governo para retirar uma circular de 1973 que impedia o casamento das tunisinas muçulmanas com não-muçulmanos.

Organizações da sociedade civil lançaram nos últimos meses uma campanha sobre a questão e foi apresentada uma queixa no Tribunal Administrativo para anular a circular.

Militantes dos direitos humanos assinalaram num comunicado que as circulares (a de 1973 não é a única) são "discriminatórias" e "contrárias à Constituição", que estipula a igualdade entre homens e mulheres, além de constituírem "uma violação do direito fundamental de cada um escolher o seu cônjuge".

Até agora, as tunisinas que queriam casar com não-muçulmanos no país ou que um casamento deste tipo fosse reconhecido na Tunísia tinham de apresentar um certificado de conversão ao islão do marido.

Num discurso no dia da "Festa da Mulher", a 13 de agosto, o chefe de Estado também lançou o debate sobre a delicada questão da igualdade entre homens e mulheres em termos de heranças, considerando que a Tunísia se dirige para a igualdade "em todos os campos".

Na Tunísia, pioneira no mundo árabe em relação aos direitos das mulheres, as tunisinas continuam a herdar geralmente metade do que cabe aos homens, como previsto no Corão.

Lusa

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38