sicnot

Perfil

Mundo

Menos 70.000 turistas em Bali devido ao vulcão Agung

Firdia Lisnawati

A Associação de Restaurantes e Hotéis da Indonésia estimou que cerca de 70.000 turistas deixaram de visitar a ilha de Bali por causa da atividade do vulcão Agung, em alerta máximo por possível erupção, informou hoje a imprensa.

"Recolhemos informação sobre clientes que tinham planeado vir para reuniões e outros motivos. Haverá um decréscimo da chegada de turistas de 20%, uns 70.000", disse o presidente da secção de Bali da associação, Tjokorda Artha Ardana Sukawati, à agência de notícias local, Antara.

Uma média de 200.000 turistas estrangeiros chega todos os meses a esta ilha, o principal destino turístico da Indonésia, e cuja temporada alta é entre julho e agosto, segundo o Instituto Nacional de Estatística.O Centro de Vulcanologia e Mitigação de Perigos Geológicos (CVMPG) declarou, no passado dia 22 de setembro, um nível de alerta 4, o máximo, e estabeleceu uma zona de segurança num raio de 12 quilómetros ao redor do vulcão.

Os peritos asseguram que é impossível prever quando ou se ocorrerá a erupção.Mais de 140.000 residentes do distrito Karangasem, no este de Bali e onde se localiza o vulcão, foram retirados para refúgios distribuídos por toda a ilha, embora apenas metade, cerca de 70.000, residissem na zona de perigo.

O governador de Bali, Made Mangku Pastikasostienen, disse aos meios de comunicação social que é seguro viajar para a ilha e o Ministério dos Transportes desenhou um plano para reconduzir o tráfego aéreo para outros aeroportos, caso a erupção inutilize o Aeroporto Internacional Ngurah Rai, em Bali.

As autoridades indicaram há duas semanas que a atividade que registava o Agung era similar à que mostrou antes da erupção de 1963, que matou mais de 1.100 pessoas.

O vulcão Sinabung (na ilha de Sumatra) e o Agung são os únicos da Indonésia no nível de alerta 4, enquanto outros 17 se encontram no nível 2, de um total de 127 vulcões ativos.

O arquipélago indonésio está localizado dentro do denominado "Anel de Fogo" do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica que é sacudida por milhares de tremores por ano, a maioria de escassa magnitude.

Com Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42

    País

    Mais de 60% dos jovens portugueses não usam preservativo e mais de um quarto acredita que a sida se pode transmitir pelo uso partilhado de copos ou talheres. São resultados de um estudo da Universidade de Lisboa que inquiriu 116 jovens dos 18 aos 24 anos, dos 18 aos 24 anos de todas as regiões e ilhas, estudantes universitários, mas também do programa Escolhas, que abrange uma população mais desfavorecida.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52