sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch diz que tem provas de casos de tortura policial na Turquia

HUSEYIN ALDEMIR

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) afirmou esta quinta-feira que tem provas de tortura - pelo menos 11 casos de abusos graves durante a detenção - e de desaparecimentos forçados durante o último ano na Turquia.

Nestes 11 casos, afirmou esta quinta-feira a HRW, os detidos foram despidos, espancados e ameaçados.

"As provas mostram que a tortura durante a custódia policial regressou à Turquia. O Governo tem, urgentemente, de investigar e ordenar o fim" destas práticas, denunciou em comunicado Hugh Williamson, diretor da HRW para a Europa e Ásia Central.

Williamson realçou que, "dada a obscura história de desaparecimentos forçados na Turquia", "as autoridades têm de localizar as pessoas desaparecidas e garantir que qualquer pessoa detida por agentes estatais tenha acesso a um advogado e que a sua família saiba onde se encontra".

A organização também documenta cinco casos de sequestros na capital do país, Ancara, e na província de Esmirna, entre março e junho de 2017, que poderão ser desaparecimentos forçados.

No passado mês de agosto, a HRW enviou uma carta ao ministro turco da Justiça, Abdülhamit Gül, a exigir uma investigação sobre os desaparecimentos. A organização não recebeu resposta.

A ONG explica que os detidos por, alegadamente, pertencerem ao grupo de Fathullah Güllen, que Ancara acusa de estar por detrás do golpe de Estado falhado de 2016, e os detidos acusados de serem membros da guerrilha curda do PKK são os que correm maiores riscos de tortura.

A maioria das detenções aconteceram no último ano, sob estado de emergência, imposto a 20 de julho de 2016, após o golpe falhado.

Pelo menos 150 mil pessoas foram detidas desde o golpe falhado, por alegados vínculos terroristas ou com o golpe em si.

"Numa altura em que os procuradores e tribunais turcos ignoram a tortura, é de vital importância que as associações de advogados defendam a justiça e os direitos humanos", disse Williamson.

Nesse sentido, a HRW apelou aos "parceiros internacionais da Turquia" para que questionem Ancara sobre a questão dos desaparecimentos forçados e da tortura sob custódia policial.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:57

    País

    O Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje chuva fraca a norte do sistema Montejunto-Estrela com subidada temperatura mínima. Céu muito nublado ou encoberto, apresentando-se em geral pouco nublado no Baixo Alentejo e no Algarve até meio da manhã. Períodos de chuva fraca ou chuvisco nas regiões a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela, mais frequentes no Minho e Douro Litoral e a partir da tarde.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.