sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch diz que tem provas de casos de tortura policial na Turquia

HUSEYIN ALDEMIR

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) afirmou esta quinta-feira que tem provas de tortura - pelo menos 11 casos de abusos graves durante a detenção - e de desaparecimentos forçados durante o último ano na Turquia.

Nestes 11 casos, afirmou esta quinta-feira a HRW, os detidos foram despidos, espancados e ameaçados.

"As provas mostram que a tortura durante a custódia policial regressou à Turquia. O Governo tem, urgentemente, de investigar e ordenar o fim" destas práticas, denunciou em comunicado Hugh Williamson, diretor da HRW para a Europa e Ásia Central.

Williamson realçou que, "dada a obscura história de desaparecimentos forçados na Turquia", "as autoridades têm de localizar as pessoas desaparecidas e garantir que qualquer pessoa detida por agentes estatais tenha acesso a um advogado e que a sua família saiba onde se encontra".

A organização também documenta cinco casos de sequestros na capital do país, Ancara, e na província de Esmirna, entre março e junho de 2017, que poderão ser desaparecimentos forçados.

No passado mês de agosto, a HRW enviou uma carta ao ministro turco da Justiça, Abdülhamit Gül, a exigir uma investigação sobre os desaparecimentos. A organização não recebeu resposta.

A ONG explica que os detidos por, alegadamente, pertencerem ao grupo de Fathullah Güllen, que Ancara acusa de estar por detrás do golpe de Estado falhado de 2016, e os detidos acusados de serem membros da guerrilha curda do PKK são os que correm maiores riscos de tortura.

A maioria das detenções aconteceram no último ano, sob estado de emergência, imposto a 20 de julho de 2016, após o golpe falhado.

Pelo menos 150 mil pessoas foram detidas desde o golpe falhado, por alegados vínculos terroristas ou com o golpe em si.

"Numa altura em que os procuradores e tribunais turcos ignoram a tortura, é de vital importância que as associações de advogados defendam a justiça e os direitos humanos", disse Williamson.

Nesse sentido, a HRW apelou aos "parceiros internacionais da Turquia" para que questionem Ancara sobre a questão dos desaparecimentos forçados e da tortura sob custódia policial.

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC