Mundo

Presidente do Parlamento Europeu lembra vítimas dos fogos em Portugal

Yves Herman

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, lembrou as vítimas dos incêndios em Portugal durante a sua intervenção no Conselho Europeu que teve esta quinta-feira início em Bruxelas, e defendeu a necessidade de a União Europeia melhorar as suas capacidades.

"Gostaria de lembrar as vítimas dos desastres naturais que atingiram o nosso continente nas últimas semanas. Estou a pensar particularmente nos devastadores incêndios que afetaram dezenas de milhares dos nossos concidadãos em Portugal e Espanha e que deixaram tantos mortos e feridos", afirmou Tajani, dirigindo-se aos chefes de Estado e de Governo da UE, entre os quais o primeiro-ministro, António Costa.

"Só este ano, mais de 750 mil hectares das florestas europeias foram destruídas pelo fogo. Só em Portugal, mais de 100 pessoas perderam a vida", sublinhou.

Recordando outros desastres naturais que, "cada vez mais frequentemente", atingem comunidades na Europa - como sismos, inundações e furacões -, o presidente da assembleia considerou legítimo a União Europeia questionar-se se está a fazer tudo ao seu alcance ou se pode "fazer mais, tomando mais medidas preventivas, oferecendo mais solidariedade e providenciando mais ajuda de emergência".

Segundo Antonio Tajani, a Europa deve "melhorar as suas capacidades e reduzir a burocracia, de modo a que os Estados-membros possam mais facilmente obter a assistência imediata de que necessitam".

Tajani intervinha no "arranque" de um Conselho Europeu, cujos trabalhos formais têm sempre início depois de uma troca de pontos de vista com o presidente do Parlamento Europeu.

Em conferência de imprensa, Tajani acrescentou que "o atual Mecanismo Europeu de Proteção Civil não funciona, dispondo apenas de um avião Canadiar italiano", apoiando a proposta de Jean-Claude Juncker da criação "de uma força de iniciativa europeia, que possa intervir em caso de calamidade".

Tajani pediu ainda aos líderes europeus que acelerem os processos para permitir "avançar imediatamente com o financiamento" para ajudar Portugal e Espanha a lidar com as consequências dos incêndios.

Também o Presidente francês, Emmanuel Macron, dirigiu esta quinta-feira, em Bruxelas, uma "palavra de solidariedade aos amigos portugueses" devido aos incêndios que no fim de semana causaram mais de 40 mortos e apelou à criação de uma proteção civil europeia.

"Quero deixar uma palavra de solidariedade aos nossos amigos portugueses, após os terríveis incêndios que tornaram a assolar o país, causando numerosos mortos", disse Macron, à entrada do Conselho Europeu.

O Presidente francês defendeu ainda uma União Europeia que esteja "ao lado de Portugal" e que, em consequência destes acontecimentos, se empenhe "a partir de agora no apoio à criação de uma força de proteção civil europeia".

À sua chegada à cimeira, por seu turno, o primeiro-ministro, António Costa, parou alguns segundos em silêncio diante da bandeira portuguesa na sede do Conselho, na qual foi colocada um fumo negro.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 42 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça e esta quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos.

Lusa

  • Volta ao Mundo em Arroios
    18:46

    Reportagem Especial

    Tem mais de 90 nacionalidades diferentes. Os censos de 2011 da freguesia de Arroios, em Lisboa, registavam 4.500 estrangeiros mas nos últimos anos o número terá duplicado. É a freguesia mais multicultural do país, onde a diferença é a principal riqueza.

  • Anticiclone dos Açores afasta o verão de Portugal
    1:46

    País

    O verão vai continuar ameno em Portugal e, no início da próxima semana, as temperaturas máximas vão mesmo descer. Um cenário bem diferente do do norte da Europa, onde são as ondas de calor que estão a preocupar as autoridades. 

  • Ryanair prevê cancelamento de 50 voos diários em Portugal
    2:10

    Economia

    A Ryanair vai cancelar até 50 voos em Portugal durante os dois dias de greve, na próxima semana. A companhia irlandesa garante que já contactou 90% dos clientes com viagens marcadas de e para o país, que podem agora pedir o reembolso ou reagendar os voos.

  • Sócrates defende Pinho e critica Parlamento

    País

    José Sócrates saiu em defesa do seu antigo ministro da Economia, Manuel Pinho. Num artigo de opinião publicado no Expresso, o ex-primeiro-ministro aponta o dedo ao presidente do PSD e ao líder parlamentar do PS.

  • PP espanhol elege o líder mais jovem de sempre

    Mundo

    O novo presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado, com 37 anos, é o líder mais jovem que este partido já teve na sua curta história, sendo visto por muitos como defensor da ala mais conservadora e tradicional.