sicnot

Perfil

Mundo

Uganda expulsa peritos militares norte-coreanos para cumprir sanções da ONU

Lee Jin-man

O Governo do Uganda expulsou especialistas militares e diretores das empresas norte-coreanas que operam no país, cumprindo as sanções decretadas pelas Nações Unidas contra a Coreia do Norte devido ao programa de armamento nuclear de Pyongyang.

O anúncio da decisão foi feito em Campala pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros ugandês, Okello Oryem, que, em declarações à agência noticiosa AP, garantiu que todos os diretores de empresas norte-coreanas que operam no Uganda já deixaram o país.

Segundo o governante ugandês, no país estão apenas alguns diplomatas, a aguardar o regresso a Pyongyang, ou indivíduos que não se inscrevem naquelas duas categorias.

Okello Oryem salientou que o Governo ugandês exigiu especificamente a saída de pessoas ligadas à Korea Mining Development Trading Corporation, um dos intermediários primários no negócio de venda de armamento e que está sob sanções, tanto da ONU como dos Estados Unidos.

Quanto aos peritos militares, que há décadas são dos principais parceiros na formação do exército e forças de segurança do Uganda, já todos deixaram praticamente o país.

Os países africanos têm estado sob pressão crescente para o total cumprimento das sanções das Nações Unidas a Pyongyang.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.