sicnot

Perfil

Mundo

Submarino alemão encontrado na Bélgica desapareceu durante I Guerra Mundial

Registos históricos mostram que o UB-29 partiu para a sua última missão a 27 de novembro de 1916, com 22 marinheiros alemães a bordo.

Virginia Mayo

As autoridades belgas identificaram esta terça-feira um submarino alemão que desapareceu há mais de um século, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial.

Os submarinos desempenharam um papel importante na guerra de 1914-1918, e a Alemanha combateu a frota de superfície britânica no oceano Atlântico e no mar do Norte com crescente recurso a submarinos - um deles era o UB-29, desaparecido em 1916.

Os mergulhadores belgas investigaram os destroços do submarino numa rota de navios ao largo da costa da Bélgica, no início deste ano, e as autoridades conseguiram identificá-lo.

Registos históricos mostram que o UB-29 partiu para a sua última missão a 27 de novembro de 1916, com 22 marinheiros alemães a bordo.

O embaixador alemão na Bélgica, Ruddier Ludeking, indicou que o seu país quer que o submarino e os corpos dos 22 marinheiros permaneçam no seu túmulo no fundo do mar.

Lusa

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52

    Desporto

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que um blogue associado ao Benfica partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • O último adeus às vítimas da tragédia de Vila Nova da Rainha
    1:37

    País

    As cerimónias fúnebres das oito vítimas mortais do incêndio na Associação de Vila Nova da Rainha realizaram-se esta terça-feira. Três delas ocorreram em simultâneo na povoação do concelho de Tondela que, no passado sábado, viu a tragédia bater-lhe à porta.

  • Fóssil humano mais antigo encontrado em Portugal entregue ao Museu de Arqueologia
    3:42

    País

    O mais antigo fóssil humano até hoje encontrado em Portugal, o "Crânio da Aroeira", foi entregue no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa. Em 2014, o fóssil foi encontrado pela equipa do arqueólogo João Zilhão perto de Torres Novas e foi restaurado e estudado na Universidade Complutense de Madrid, durante dois anos e meio.

  • De "lambe rabos" a "labrego", a polémica entre Rodolfo Reis e Bruno de Carvalho
    1:30
  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14