Mundo

Milhares manifestam-se no Peru contra indulto a Fujimori

Milhares manifestam-se no Peru contra indulto a Fujimori

Milhares manifestaram-se hoje nas principais cidades do Peru contra o indulto concedido pelo Presidente, Pedro Pablo Kuczynski, ao ex-governante Alberto Fujimori, que o iliba de cumprir a pena de 25 anos por violação dos direitos humanos.

A maior marcha, que contava cerca de seis mil pessoas, aconteceu em Lima e terminou com pelo menos uma detenção pela polícia, que dispersou os manifestantes com gás lacrimogénio, apesar de o protesto estar a decorrer de forma pacífica.

A intenção dos manifestantes era chegar ao Palácio do Governo, sede do executivo peruano, ou à clínica onde Fujimori está hospitalizado, mas o protesto terminou em frente ao Palácio da Justiça depois de as autoridades terem proibido que a marcha prosseguisse em direção àqueles destinos.

Os manifestantes exigiam a anulação do perdão ao antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, condenado em 2007 a uma pena de 25 anos de prisão por violação dos direitos humanos e corrupção, na sequência de crimes, como assassínios e sequestros, cometidos entre 1990 e 2000, considerando que favorece a impunidade.

Numa nota oficial divulgada no domingo à noite, lê-se que "o Presidente do Peru, usando os poderes que lhe são conferidos pela Constituição, decidiu conceder perdão humanitário a Alberto Fujimori e a outros sete presos".

Alberto Fujimori, de 79 anos, já havia pedido o perdão em meados deste mês devido ao seu estado de saúde debilitado.

Segundo o comunicado agora emitido pela Presidência do Peru, uma junta médica avaliou a situação e verificou que Alberto Fujimori sofre de "uma doença progressiva, degenerativa e incurável".

A mesma junta considerou que as condições que o antigo governante tinha na prisão significariam um risco grave para a sua vida, saúde e integridade.

No sábado, Alberto Fujimori foi transferido da prisão para uma clínica da capital, Lima, devido a tensão arterial baixa e arritmia, anunciou o seu médico.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16