sicnot

Perfil

Mundo

Que emojis podemos esperar em 2018

A cada ano que passa, surgem novos emojis. O Consórcio Unicode, encarregado de definir o padrão global para estes ícones, já divulgou alguns dos que se vão estrear em 2018. Esta nova forma de comunicação, que até já deu origem a um filme, pode vir também a ter outras funcionalidades no ano que está prestes a começar.

A possibilidade de mudar a direção dos emojis antes de os enviar é uma das novas funcionalidades apresentades pelo Consórcio Unicode para 2018. Esta é uma opção há muito solicitada pelos utilizadores, mas que não é adaptável a todos os ícones.

Segundo a Emojipedia, é provável que venham a ser introduzidos nove novos emojis, como uma manga, um urso de peluche, um cisne e um skate. Contudo, os debates acalorados que acompanham o processo de decisão dos símbolos a serem lançados em cada ano, terá levado à exclusão de várias sugestões que estavam em análise.

emojipedia.org

"Os emojis são um tipo de linguagem em crescimento (...) Quando pára de crescer e se adapta, um idioma morre", considerou à Associated Press Lauren Collister, especialista em linguagem e comunicação da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos.

Crescer e adaptar-se não parece ser um problema na linguagem dos emojis.

As novidades que surgiram em 2017 incluíam personagens neutros em termos de género, uma mulher a amamentar e uma mulher com um hijab.

Este vocabulário em expansão já deu origem a um filme, concursos de histórias e livros escritos em emoji. A obra "Moby Dick" já foi traduzida para "Emoji Dick".

Em 2015, o "rosto com lágrimas de alegria" foi a palavra do ano do Dicionário Oxford.

O Museu de Arte Moderna de Nova Iorque adicionou um conjunto de emojis original à sua coleção permanente.

O iPhone X da Apple começou a permitir enviar animojis, emojis animados que imitam expressões faciais e conseguem falar. Uma funcionalidade que entretanto já não está limitada aos iPhones.

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC