Mundo

Ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori sai de clínica onde estava internado

Ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori sai de clínica onde estava internado

O ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori, condenado por crimes contra a humanidade, deixou na quinta-feira à noite, em liberdade, a clínica em Lima para onde tinha sido transferido antes de ser perdoado pelo atual chefe de Estado

Doze dias depois de ter recebido o perdão presidencial de Pedro Pablo Kuczynski, o o antigo Presidente do Peru (1990-2000), de 79 anos, saiu em liberdade da clínica onde tinha sido internado, com hipotensão e arritmias cardíacas.

Escoltado por polícias e guarda-costas, Fujimori saiu numa cadeira de rodas, na companhia do filho mais novo, Kenji.

Durante o internamento no centro médico, o ex-Presidente foi submetido a uma série de exames e tratamentos para os problemas de saúde que justificaram a concessão do perdão presidencial por motivos humanitários.

Os crimes de Fujimori

Alberto Fujimori, engenheiro de origem japonesa, foi condenado a 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra a humanidade, por ter ordenado o assassínio de 25 pessoas por um esquadrão da morte durante a guerra contra os guerrilheiros do Sendero Luminoso (extrema-esquerda maoísta).

Cumpriu 12 anos da sentença e a 24 de dezembro último foi perdoado por Kuczynski.

A decisão suscitou várias críticas no estrangeiro, demissões no Governo e desencadeou manifestações no país, durante as quais Pedro Pablo Kuczynski foi acusado de ter negociado o perdão em troca da sua manutenção no poder com o apoio do movimento político fundado por Fujimori.

O perdão foi concedido três dias depois de o processo de destituição de Kuczynski ter sido chumbado no parlamento peruano, em parte devido à abstenção de Kenji Fujimori e de nove outros deputados do seu partido, Força Popular.

O processo de destituição do Presidente foi pedido pelos alegados vínculos do Presidente peruano à empresa brasileira Odebrecht, que reconheceu ter feito pagamentos de cerca de cinco milhões de dólares a firmas diretamente ligadas a Kuczynski, na altura ministro (2004-2013).

Na campanha eleitoral de 2016, o Presidente do Peru, de 79 anos, tinha prometido não libertar Fujimori.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16