sicnot

Perfil

Mundo

Unicef desconhece paradeiro de milhares de crianças rohingyas

O Fundo das Nações Unidas para a Infância desconhece paradeiro de milhares de crianças mulçumanas.

Damir Sagolj (Reuters)

A Unicef disse hoje que desconhece o paradeiro de milhares de crianças da minoria muçulmana rohingya no Estado birmanês de Rakhine, denunciando que aquela região, de acesso negado, enfrenta uma grave carência de bens e de serviços essenciais.

Estas informações foram avançadas pela porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Marixie Mercado, que descreveu, durante uma conferência de imprensa em Genebra (Suíça), a viagem que fez às zonas centro e norte do Estado de Rakhine (oeste da Birmânia, atualmente Myanmar), onde vive a minoria rohingya, que tem sido perseguida e discriminada pelas autoridades birmanesas durante várias décadas.

Em finais de agosto de 2017, em Rakhine, a agência da ONU prestava auxílio a 4.800 crianças rohingyas que sofriam de desnutrição aguda grave.Mas, após o início da repressão das forças militares birmanesas, as autoridades locais decidiram negar o acesso a todas as agências da ONU e a Unicef deixou de ter contacto com estes menores.

Os 12 centros de tratamento terapêutico e todos os centros de cuidados primários que eram apoiados pela Unicef acabaram por ser destruídos durante a recente vaga de violência, segundo a organização internacional."Ninguém distribui água ou comida", denunciou a porta-voz.A agência das Nações Unidas também desconhece quantas crianças permanecem na região ou quantos menores fugiram para o "vizinho" Bangladesh, onde mais de 620 mil rohingyas estão refugiados desde o início da violência a 25 de agosto.

Outras organizações que trabalham no terreno com a Unicef indicaram que identificaram pelo menos 20 crianças separadas das respetivas famílias, mas as estimativas apontam que o número pode atingir os 100 menores.Estes números não podem ser confirmados porque estas organizações também não têm acesso a várias áreas do Estado de Rakhine.

O atual êxodo dos rohingyas teve início em agosto, quando foi lançada uma operação militar do exército birmanês contra o movimento rebelde Exército de Salvação do Estado Rohingya devido a ataques da rebelião a postos militares e policiais.

Esta campanha de repressão do exército birmanês já foi classificada pela ONU como uma limpeza étnica e como uma das crises humanitárias mais graves do início do século XXI.

O Estado birmanês, um país mais de 90% budista, não reconhece esta minoria e impõe múltiplas restrições aos rohingyas, nomeadamente a liberdade de movimentos.Desde que a nacionalidade birmanesa lhes foi retirada em 1982, os rohingyas têm sido submetidos a muitas restrições: não podem viajar ou casar sem autorização, não têm acesso ao mercado de trabalho, nem aos serviços públicos (escolas e hospitais).

Esta crise desencadeou uma vaga de críticas à líder de facto da Birmânia e Nobel da Paz (1991), Aung San Suu Kyi.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.