sicnot

Perfil

Mundo

Declarações de Trump são "ignorantes e racistas"

A União Africana disse hoje "estar francamente alarmada" com as declarações do Presidente norte-americano nas quais "usa linguagem vulgar" para questionar porque é que os Estados Unidos devem aceitar mais imigrantes de países africanos, do Haiti e de El Salvador. A American Haitian Foundation qualificou de "ignorantes e racistas" os comentários feitos por Donald Trump, que classificou as nações em causa como "países de merda". A ONU também já reagiu e considerou as declarações "chocantes", "vergonhosas" e "racistas".

"Se for confirmado, trata-se de comentários chocantes e vergonhosos da parte do Presidente dos Estados Unidos. Lamento, mas não há outra palavra do que 'racistas'", declarou o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Rupert Colville, numa conferência de imprensa em Genebra.

"Os comentários do Presidente são ignorantes, racistas, uma total desconsideração para com a dignidade humana do povo haitiano", afirmou Jack Davidson, diretor executivo da American Haitian Foundation, com sede no estado norte-americano do Tennessee.

"Estou envergonhado por ele ser Presidente dos Estados Unidos", realçou.

A porta-voz da União Africana, Ebba Kalondo, considerou as declarações de Trump inaceitáveis tendo em conta a realidade histórica e a quantidade de africanos que chegou aos EUA como escravos.

"Isto é particularmente surpreendente, já que os Estados Unidos continuam a ser um exemplo global de como a migração deu origem a uma nação baseada em valores fortes de diversidade e oportunidade", destacou.

Ebba Kalondo disse "acreditar que esta declaração prejudica os valores globais partilhados sobre diversidade, direitos humanos e compreensão recíproca".

De acordo com a Associated Press, os governos africanos estão "numa posição embaraçosa e têm evitado criticar as declarações de Trump, uma vez que beneficiam de ajuda dos Estados Unidos.

No Sudão do Sul, o porta-voz do governo, Ateny Wek Ateny, disse: "a menos que tenha sido dito especificamente sobre o Sudão do Sul, não temos nada a dizer".

Jonathan Ernst/ Reuters

Como surgiram as declarações de Trump?

"Por que razão temos todas estas pessoas de países de merda a virem para aqui?", afirmou Trump, durante uma reunião na Casa Branca, segundo meios de comunicação social norte-americanos, como o jornal The Washington Post, que cita fontes familiarizadas com o encontro.

As declarações foram proferidas depois de dois senadores terem apresentado a Trump um projeto de lei migratório ao abrigo do qual seriam concedidos vistos a alguns cidadãos de países que foram recentemente retirados do Estatuto de Proteção Temporária (TPS, na sigla em inglês), como El Salvador, Haiti, Nicarágua e Sudão.

O Presidente dos EUA respondeu recorrendo à expressão "shithole countries", uma afirmação que, apesar de ser calão, os jornais norte-americanos que avançaram com a notícia não hesitaram em usar, e que também está a surgir na maioria dos títulos da comunicação social europeia.

Vários desastres naturais, incluindo um sismo que matou mais de 200 mil pessoas, colocaram a população do Haiti numa situação grave de fome e pobreza.

Vários desastres naturais, incluindo um sismo que matou mais de 200 mil pessoas, colocaram a população do Haiti numa situação grave de fome e pobreza.

Dieu Nalio Chery/ AP (Arquivo)

O que é o Estatuto de Proteção Temporária?

O TPS é um benefício concedido pelos Estados Unidos a imigrantes indocumentados, que não podem regressar aos países devido a conflitos civis, desastres naturais ou outras circunstâncias extraordinárias, permitindo-lhes trabalhar no país com uma autorização temporária.

Trump sugeriu tambe´m que os Estados Unidos deviam atrair mais imigrantes de países como a Noruega, com cuja primeira-ministra se reuniu esta semana.

Os deputados presentes na reunião ficaram chocados com os comentários, de acordo com o The Washington Post, que não esclareceu se o Presidente norte-americano se referia também à Nicarágua e não identificou os países africanos em causa.

Casa Branca justifica: "Presidente lutará sempre pelo povo norte-americano"

O jornal Los Angeles Times também corroborou a informação, acrescentando que, antes de proferir o insulto, Trump exclamou: "Para que é que queremos haitianos aqui? Para que é que queremos todas estas pessoas de África aqui?"

Raj Shah, um porta-voz da Casa Branca, não negou que Donald Trump tenha feito as referidas declarações quando questionado sobre o assunto.

"Certos políticos de Washington escolhem lutar por países estrangeiros, mas o Presidente Trump lutará sempre pelo povo norte-americano", afirmou Raj Shah, num comunicado reproduzido por diversos meios de comunicação social.

Com Lusa

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • Chegaram os brinquedos de cartão para a consola
    6:24
  • O 10 de julho de 1941 na escrita de João Pinto Coelho
    15:09
  • Governo promete melhorar condições de 26 mil famílias
    1:23

    País

    O ministro do Ambiente explicou esta terça-feira, no Parlamento, as novas medidas para a habitação: reduzir os impostos para arrendamentos longos, melhorar as condições de 26 mil famílias e introduzir o arrendamento vitalício para maiores de 65 anos. Este é um investimento que vai chegar aos 1700 milhões de euros.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31
  • Peixe-galo e batatas rosti, qual o cardápio do encontro entre os líderes das Coreias?

    Mundo

    O menu do encontro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, já foi dado a conhecer esta terça-feira. Através do site oficial do Governo, Seul anunciou um cardápio com vários pratos típicos da Península da Coreia, como dumplings ao vapor, arroz cultivado na Coreia, carne grelhada, salada fria com polvo, peixe-galo, batatas rosti e sopa fria.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17