sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Haiti considera afirmações de Donald Trump racistas

Presidente do Haiti, Moise Jovenel

Reuters

O Governo do Haiti considerou hoje que as afirmações de "países de merda" atribuídas a Donald Trump numa reunião com senadores sobre política migratória, "refletem uma visão simplista e racista" do Presidente dos Estados Unidos.

O executivo de Port-au-Prince considerou "inaceitáveis" as referências de Donald Trump ao Haiti, El Salvador e a países africanos, em comunicado divulgado hoje, aniversário do sismo que provocou mais de 200 mil mortos naquela nação caribenha, em 2010.

"O Governo haitiano condena, com a maior firmeza, estas hediondas e desprezíveis palavras", que o Presidente norte-americano negou hoje, na conta pessoal na rede social Twitter.

Donald Trump admitiu ter usado "linguagem dura" na reunião de quinta-feira, mas negou a expressão "países de merda" para se referir ao Haiti, El Salvador e nações africanas.

De acordo com fontes conhecedoras do teor da reunião de quinta-feira, citadas pela imprensa dos EUA, Trump qualificou El Salvador, Haiti e várias nações africanas, que não identificou, de "países de merda", sinalizando que preferia abrir as portas a imigrantes procedentes de países como a Noruega.

O senador democrata Dick Durbin, presente na reunião, reiterou hoje que Donald Trump usou "várias vezes" a expressão "países de merda".

"Pronunciou essas palavras cheio de ódio", sublinhou o senador, confirmando as afirmações, que geraram protestos de vários quadrantes da comunidade internacional, entre os quais as Nações Unidas e a Fundação Haitiana em território norte-americano.

A União Africana (UA), organização intergovernamental com 55 Estados membros, considerou que as declarações de Trump são "ofensivas" e "perturbadoras".

"Não são apenas ofensivas para as pessoas de origem africana nos Estados Unidos, mas também para os cidadãos africanos", disse à agência France Presse Ebba Kalondo, o porta-voz do presidente da Comissão da UA, Moussa Faki.

Também o Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder na África do Sul, considerou as afirmações "extremamente ofensivas".

A secretária-geral do ANC, Jessie Duarte, afirmou que os países em desenvolvimento têm dificuldades, mas assinalou que os Estados Unidos têm milhões de pessoas sem trabalho ou sem cuidados de saúde.

O Botsuana convocou hoje o embaixador dos Estados Unidos naquele país africano e classificou as declarações de Trump "altamente irresponsáveis, repreensíveis e racistas".

O Presidente do Senegal, Macky Sall, manifestou-se chocado com as declarações de Trump e disse que "África e a raça negra merecem o respeito e a consideração de todos".

Lusa

  • Trump admite palavras "duras" mas garante: "essa não foi a linguagem usada"

    Mundo

    Donald Trump garante que não proferiu as palavras que foram noticiadas para classificar países africanos, o Haiti ou El Salvador, durante uma reunião na Casa Branca, onde foi apresentada uma proposta de legislação sobre imigração. Num post publicado no Twitter, o Presidente dos EUA admite que a linguagem que usou foi "dura" mas que "realmente difícil" foi a proposta apresentada. A comunicação social norte-americana avançou, esta quinta-feira, que Trump recorreu ao calão, com a expressão "shithole countries" ("países de merda"), para classificar as nações em causa.

  • Declarações de Trump são "ignorantes e racistas"

    Mundo

    A União Africana disse hoje "estar francamente alarmada" com as declarações do Presidente norte-americano nas quais "usa linguagem vulgar" para questionar porque é que os Estados Unidos devem aceitar mais imigrantes de países africanos, do Haiti e de El Salvador. A American Haitian Foundation qualificou de "ignorantes e racistas" os comentários feitos por Donald Trump, que classificou as nações em causa como "países de merda". A ONU também já reagiu e considerou as declarações "chocantes", "vergonhosas" e "racistas".

  • Trump deixa aviso à Coreia do Norte

    Mundo

    O Presidente dos EUA, Donald Trump, assegurou hoje que o Pentágono "está preparado" para adotar as medidas militares necessárias contra a Coreia do Norte, caso Pyongyang responda ao cancelamento da cimeira bilateral com gestos "ingénuos ou imprudentes".

  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC

  • Filha do ex-espião russo envenenado diz sentir-se com "sorte por estar viva"
    1:38