Mundo

Governo do Haiti considera afirmações de Donald Trump racistas

Presidente do Haiti, Moise Jovenel

Reuters

O Governo do Haiti considerou hoje que as afirmações de "países de merda" atribuídas a Donald Trump numa reunião com senadores sobre política migratória, "refletem uma visão simplista e racista" do Presidente dos Estados Unidos.

O executivo de Port-au-Prince considerou "inaceitáveis" as referências de Donald Trump ao Haiti, El Salvador e a países africanos, em comunicado divulgado hoje, aniversário do sismo que provocou mais de 200 mil mortos naquela nação caribenha, em 2010.

"O Governo haitiano condena, com a maior firmeza, estas hediondas e desprezíveis palavras", que o Presidente norte-americano negou hoje, na conta pessoal na rede social Twitter.

Donald Trump admitiu ter usado "linguagem dura" na reunião de quinta-feira, mas negou a expressão "países de merda" para se referir ao Haiti, El Salvador e nações africanas.

De acordo com fontes conhecedoras do teor da reunião de quinta-feira, citadas pela imprensa dos EUA, Trump qualificou El Salvador, Haiti e várias nações africanas, que não identificou, de "países de merda", sinalizando que preferia abrir as portas a imigrantes procedentes de países como a Noruega.

O senador democrata Dick Durbin, presente na reunião, reiterou hoje que Donald Trump usou "várias vezes" a expressão "países de merda".

"Pronunciou essas palavras cheio de ódio", sublinhou o senador, confirmando as afirmações, que geraram protestos de vários quadrantes da comunidade internacional, entre os quais as Nações Unidas e a Fundação Haitiana em território norte-americano.

A União Africana (UA), organização intergovernamental com 55 Estados membros, considerou que as declarações de Trump são "ofensivas" e "perturbadoras".

"Não são apenas ofensivas para as pessoas de origem africana nos Estados Unidos, mas também para os cidadãos africanos", disse à agência France Presse Ebba Kalondo, o porta-voz do presidente da Comissão da UA, Moussa Faki.

Também o Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder na África do Sul, considerou as afirmações "extremamente ofensivas".

A secretária-geral do ANC, Jessie Duarte, afirmou que os países em desenvolvimento têm dificuldades, mas assinalou que os Estados Unidos têm milhões de pessoas sem trabalho ou sem cuidados de saúde.

O Botsuana convocou hoje o embaixador dos Estados Unidos naquele país africano e classificou as declarações de Trump "altamente irresponsáveis, repreensíveis e racistas".

O Presidente do Senegal, Macky Sall, manifestou-se chocado com as declarações de Trump e disse que "África e a raça negra merecem o respeito e a consideração de todos".

Lusa

  • Trump admite palavras "duras" mas garante: "essa não foi a linguagem usada"

    Mundo

    Donald Trump garante que não proferiu as palavras que foram noticiadas para classificar países africanos, o Haiti ou El Salvador, durante uma reunião na Casa Branca, onde foi apresentada uma proposta de legislação sobre imigração. Num post publicado no Twitter, o Presidente dos EUA admite que a linguagem que usou foi "dura" mas que "realmente difícil" foi a proposta apresentada. A comunicação social norte-americana avançou, esta quinta-feira, que Trump recorreu ao calão, com a expressão "shithole countries" ("países de merda"), para classificar as nações em causa.

  • Declarações de Trump são "ignorantes e racistas"

    Mundo

    A União Africana disse hoje "estar francamente alarmada" com as declarações do Presidente norte-americano nas quais "usa linguagem vulgar" para questionar porque é que os Estados Unidos devem aceitar mais imigrantes de países africanos, do Haiti e de El Salvador. A American Haitian Foundation qualificou de "ignorantes e racistas" os comentários feitos por Donald Trump, que classificou as nações em causa como "países de merda". A ONU também já reagiu e considerou as declarações "chocantes", "vergonhosas" e "racistas".

  • Volta ao Mundo em Arroios
    18:46

    Reportagem Especial

    Tem mais de 90 nacionalidades diferentes. Os censos de 2011 da freguesia de Arroios, em Lisboa, registavam 4.500 estrangeiros mas nos últimos anos o número terá duplicado. É a freguesia mais multicultural do país, onde a diferença é a principal riqueza.

  • Anticiclone dos Açores afasta o verão de Portugal
    1:46

    País

    O verão vai continuar ameno em Portugal e, no início da próxima semana, as temperaturas máximas vão mesmo descer. Um cenário bem diferente do do norte da Europa, onde são as ondas de calor que estão a preocupar as autoridades. 

  • Ryanair prevê cancelamento de 50 voos diários em Portugal
    2:10

    Economia

    A Ryanair vai cancelar até 50 voos em Portugal durante os dois dias de greve, na próxima semana. A companhia irlandesa garante que já contactou 90% dos clientes com viagens marcadas de e para o país, que podem agora pedir o reembolso ou reagendar os voos.

  • Sócrates defende Pinho e critica Parlamento

    País

    José Sócrates saiu em defesa do seu antigo ministro da Economia, Manuel Pinho. Num artigo de opinião publicado no Expresso, o ex-primeiro-ministro aponta o dedo ao presidente do PSD e ao líder parlamentar do PS.

  • PP espanhol elege o líder mais jovem de sempre

    Mundo

    O novo presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado, com 37 anos, é o líder mais jovem que este partido já teve na sua curta história, sendo visto por muitos como defensor da ala mais conservadora e tradicional.