sicnot

Perfil

Mundo

Japão pede mais pressão contra programa nuclear da Coreia do Norte

Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão.

Liusjenas Kulbis

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, pediu mais pressão da comunidade internacional para que a Coreia do Norte negoceie e reduza o programa de armamento nuclear.

"A Coreia do Norte deve provar que está à altura dos compromissos assumidos, de destruir o seu arsenal nuclear e os mísseis, de maneira a garantir-se que o processo será integral, provavelmente com controlo externo", afirmou Shinzo Abe.

O primeiro-ministro japonês falava em Sófia depois de se reunir com o Presidente da Bulgária, Rumen Radev, país que preside neste semestre à União Europeia.

Abe garantiu que não cederá às ameaças da Coreia do Norte e que tudo fará para resolver a ameaça de provas de armamento atómico e mísseis, com o apoio da Europa e em particular da Bulgária.

O primeiro-ministro japonês está a fazer um périplo pela Europa, acompanhado de representantes de trinta empresas japonesas, que inclui visitas a Estónia, Lituânia, Letónia, Bulgária, Sérvia e Roménia.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38