sicnot

Perfil

Mundo

Onze civis mortos em bombardeamentos turcos na Síria

Osman Orsal

Pelo menos 11 civis, entre os quais cinco crianças, foram hoje mortos em bombardeamentos da aviação turca sobre o enclave curdo de Afrine, no norte da Síria, segundo um balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O exército turco lançou no sábado uma operação de grandes dimensões sobre a região de Afrine, batizada como "Ramo d'Oliveira", multiplicando os ataques aéreos e os bombardeamentos da artilharia contra posições das Unidades de Proteção do Povo (YPG), uma milícia curda que Ancara considera "terrorista".

Um anterior balanço de ataques à aldeia de Jalbara dava conta de oito mortos pertencentes à mesma família de deslocados originários da vizinha província de Idleb, precisou o diretor do OSDH, Abdel Rahman.

Horas antes, o porta-voz das YPG, Birusk Hasakeh, tinha também relatado a ocorrência de ataques, acusando a aviação militar turca de ter cometido "um massacre".

Em imagens enviadas por este porta-voz à agência noticiosa francesa AFP, podem ver-se socorristas curdos a retirar cadáveres ensanguentados de uma estrutura de betão destruída.

No sábado, Hasakeh indicara que dez pessoas, sete das quais civis, tinham sido mortas nos bombardeamentos turcos, o que perfaz um total de 18 civis mortos desde que se iniciou a ofensiva aérea e terrestre da Turquia sobre a região de Afrine.

Ancara acusa as YPG de serem o braço armado na Síria do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), uma organização classificada como "terrorista" pela Turquia e seus aliados ocidentais e que desde 1984 leva a cabo em território turco uma sangrenta guerrilha.

Mas as YPG são também a espinha dorsal das Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança de combatentes curdos e árabes apoiada pelos Estados Unidos na sua luta contra o Daesh.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.